Comissão dá sequência à investigação do Escândalo da Merenda de Guarujá

Vereadores começam, a partir da próxima segunda-feira, dia 18, a ouvir 13 testemunhas. Conclusão será apresentada até 24 de julho

Comentar
Compartilhar
12 MAI 201511h27

Os vereadores de Guarujá que compõem a Comissão Processante do caso conhecido como Escândalo da Merenda resolveram ontem dar prosseguimento aos trabalhos de investigação, que podem culminar com o pedido de cassação da prefeita Maria Antonieta de Brito, por suposta infração política administrativa.

A informação é do vereador Edilson Dias (PT), que preside a comissão formada ainda pelo vereador e relator Geraldo Soares Galvão (DEM) e pelo vereador Jailton Reis dos Santos, o Sorriso (PPS). Dias disse após análise que “a defesa deixa a desejar em pontos, como a falta de gêneros alimentícios, de fiscalização nas escolas, de infraestrutura aos funcionários e superfaturamento nas compras de frutas, verduras e carnes”, revelou. Edilson Dias pontuou, entre outros, o caso da melancia, que custou à Prefeitura R$ 30,60 a unidade, quando no comércio em geral custaria, no máximo, R$ 8,00.

Leia também:

Suposta fraude da merenda escolar de Guarujá vai para a esfera federal
Ministério Público arquiva denúncia da Prefeitura de Guarujá
Eleição de Conselho de Alimentação é questionada em Guarujá
Merenda de Guarujá vira alvo de comissão processante na Câmara
Antonieta diz que não teve acesso ao relatório da Comissão Processante
Decisão do caso da merenda de Guarujá deve sair em julho

Segundo o presidente da Comissão, o processo continua com as oitivas, a partir da próxima segunda-feira (18), das 13 testemunhas – três de acusação e 10 de defesa. Elas serão ouvidas a partir das 9 horas, na sede da Câmara - Avenida Leomil, no Centro. A primeira a ser ouvida será a principal denunciante e ex-presidente do Conselho de Alimentação Escolar (CAE) do Município, Elizabeth Barbosa. Essa fase segue até sexta-feira (22), com exceção da terça-feira (19) quando ocorre a sessão ordinária. Tudo aberto ao público.

“Depois, a Comissão se reúne e vamos analisar a necessidade de novas diligências, requisição de mais documentos e outros procedimentos, sempre lembrando que a prefeita sempre terá tempo para apresentar nova e ampla defesa. Hoje mesmo (ontem), uma cópia da decisão será encaminhada à prefeita”, disse Edilson.

Procurada ontem pela Reportagem, a Prefeitura de Guarujá informou que aguarda o parecer oficial da Câmara Municipal para poder se manifestar quanto ao encaminhamento da Comissão.