X
Cotidiano

Carnaval de 2015 teve menor número de mortos nas estradas dos últimos 8 anos

Da sexta-feira de carnaval até a quarta-feira de cinzas, foram registradas 120 mortes nas estradas federais

O carnaval de 2015 foi o menos letal dos últimos oito anos. Balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF) aponta que, da sexta-feira de carnaval até a quarta-feira de cinzas, foram registradas 120 mortes nas estradas federais - o número mais baixo no período -, 2.785 acidentes e 1.786 feridos.

Os dados mostram uma redução de 28% na quantidade de mortos, 22% no total de acidentes e de 18% no número de feridos, na comparação com o ano passado. No ano passado, para cada um milhão de veículos nas rodovias foram registrados 40,5 acidentes com dois mortos. Neste ano, para cada um milhão de carros, foram registrados 31,7 acidentes, com 1,37 mortos.

A maior causa das mortes é a colisão frontal entre veículos - que responde por 45% do total de acidentes letais. A alta velocidade causa 26% dos acidentes. No período, foram feitos 85 mil testes para apurar embriaguez ao volante, sendo que, do total, 2 mil casos geraram autuações. A PRF realizou 372 prisões em embriaguez neste carnaval.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, comemorou o resultado e creditou a redução dos acidentes com mortos a uma mudança na fiscalização feita pela Polícia Rodoviária Federal. "Acreditamos que este ano o aperfeiçoamento da fiscalização nas estradas levou a esse resultado que superou nossas expectativas" disse o ministro. Ele anunciou ainda que o governo federal autorizou a nomeação de 421 novos policiais rodoviários federais que já estão treinados. O maior número de mortes foi registrado no Estado de Minas Gerais - 14 vítimas fatais. Na sequência, vêm Maranhão e Distrito Federal, com 10 mortes cada um nas estradas federais.

Dados mostram uma redução de 28% na quantidade de mortos e 22% no total de acidentes (Foto: Luiz Torres/DL)

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ELEIÇÕES 2022

Janones critica 'arrogância' de discurso da esquerda no Twitter

'Arrogância de setores da elite intelectual não lhes permite compreender que João Gomes forma mais opinião que Chico e Caetano', escreveu

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia caminha para se tornar incontrolável, dizem especialistas

Com os níveis atuais de desmatamento registrados -com diversos meses com destruição amazônica acima dos 1.000 km²-, os compromissos climáticos internacionais do Brasil podem ficar em xeque, especialmente a redução da emissão de gases-estufa

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software