Baixada Santista registra 1.412 casos de dengue

Dados foram divulgados pelas nove prefeituras. Mongaguá lidera a lista, seguida de Itanhaém e por último está Peruíbe. As três cidades juntas somam 1.117 casos

Comentar
Compartilhar
25 MAR 201510h08

O Litoral Sul lidera os rankings de dengue na Baixada Santista. Só nas três cidades foram somados 1.117 casos da doença; ao todo, até ontem, a Região teve 1.412 registros positivos. Seguindo os dados divulgados pelas prefeituras da Região, Mongaguá está no topo da lista dos municípios com maior número de casos confirmados até a última semana — 440 no total e mais 539 casos suspeitos. Os bairros Vera Cruz, Vila Atlântica, Vila Operária e Agenor de Campos são os que possuem o maior número de casos.

A segunda da lista é Itanhaém: 385 casos confirmados na cidade nos últimos três meses. Completando a liderança do sul do Litoral paulista nesta classificação está Peruíbe, em terceiro lugar, com 292 casos confirmados e 308 outras notificações de suspeita. Os bairros Jardim Veneza e Caraguava apresentam a maior incidência de dengue no Município.

Santos vem em seguida com 109 casos confirmados este ano. Quase metade deste número vem de bairros da Zona da Orla como Embaré, Gonzaga, José Menino, Pompeia, Ponta da Praia, Aparecida e Boqueirão — região registrou 46 casos. A Prefeitura de Santos não divulga casos suspeitos da doença.

Praia Grande registrou 69 casos da doença entre janeiro e ontem, dia 24. Maior incidência no bairro Mirim, com 17 casos. Guarujá apresentou 53 casos confirmados da doença — os bairros de Enseada, Centro e Pae Cará registram o maior número de casos, principalmente no mês de fevereiro (30 registros).

A coleta de materiais inservíveis é necessária para combater possíveis focos de larvas (Foto: Matheus Tagé/DL)

Os menores índices de casos ocorreram em São Vicente com 27 casos confirmados — os bairros com maior incidência da doença são o Jardim Rio Branco e Humaitá, na Área Continental, Vila Margarida, Parque São Vicente e Jóquei Clube, na Área Insular; em Cubatão, que registrou 23 confirmações, a maioria no bairro Ilha Caraguatá (17); e em Bertioga, com 14 casos positivos na área Central do Município.

Medidas

Nas cidades com maior incidência, a nebulização é uma das principais ações para conter os mosquitos transmissores da doença. Em Mongaguá, cidade com maior registro de casos, a Prefeitura intensificou o combate às larvas do mosquito com nebulização e aplicação de inseticida ambiental, coleta dos materiais inservíveis, atuação da Vigilância Sanitária junto aos proprietários de terrenos baldios com acúmulo de materiais e imóveis com piscinas sem tratamento.

Em Itanhaém, atividades educativas e de combate ao mosquito em diversos bairros da Cidade fazem parte das ações, assim como nebulização, entrega de materiais informativos, além do esclarecimento de dúvidas da população; visita dos agentes de endemias às residências para coletar possíveis focos de larvas e a nebulização, com o intuito de eliminar os mosquitos transmissores.

Já em Peruíbe, para combater a proliferação do mosquito da dengue, a Prefeitura está trabalhando todos os dias com mutirões nos bairros com os 14 agentes de endemias, trabalho com teatro nas escolas estaduais, municipais e particulares e nas igrejas, além de distribuir materiais informativos e fazer nebulização costal e veicular (em locais com concentração de casos positivos confirmados através do exame sorológico).