Alunos das Etecs conquistam mais de 1.700 vagas em universidades e faculdades públicas

Levantamento realizado com 74 Etecs mostra que os alunos dessas unidades conquistaram vagas em diversos Estados brasileiros e até no exterior

Comentar
Compartilhar
13 MAR 201513h09

Mais uma vez, estudantes das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) do Centro Paula Souza se destacam nos grandes vestibulares de faculdades e universidades estaduais e federais do País.

Levantamento realizado com 74 Etecs mostra que, nos principais processos seletivos para o primeiro semestre de 2015, os alunos dessas unidades conquistaram 1.786 vagas em diversos Estados brasileiros e até no exterior. Entre as renomadas instituições de ensino superior estão USP, Unesp, Unicamp, UFMG, UFSCar e Fatec.

Uma amostra do bom resultado vem da Etec Philadelpho Gouvêa Netto, de São José do Rio Preto. Seus alunos preencheram 88 vagas nos vestibulares. Esse número inclui cinco aprovados na UFMS, outros cinco nas Fatecs, quatro na UFU e quatro na Unicamp. Lucas Mioranci, um dos destaques da unidade, ficou em primeiro lugar em Matemática na USP e na Unesp. O vestibulando também passou na Unicamp e UFScar e optou por esta última universidade. “As provas não foram fáceis. O cursinho que frequentei me ajudou. Mas o conteúdo de todo o Ensino Médio fez o diferencial na hora do exame”, afirma Lucas.

A pesquisa mostra ainda outras unidades em que um mesmo estudante conseguiu mais de uma vaga.  É o caso de Luís Gustavo Bispo, que fez o Ensino Médio na Etec de Lins. O jovem, que optou pela carreira de Engenharia Civil, entrou na UEM, UFSCar, Unesp e UFPR. “Escolhi a UFSCar porque é muito conceituada. O curso que oferece é considerado o melhor da área no Brasil”, diz Luís.

Já Rafael Marson Gelschleiter, que concluiu Ensino Médio e o técnico em Automação Industrial na Etec Rosa Perrone, de Itatiba, emplacou uma oportunidade no exterior. Ele ingressou em Medicina na Universidade Médica de Kursk, na Rússia, uma instituição estatal. “Apesar do desafio de lidar com as diferenças culturais e climáticas, a adaptação está sendo tranquila. Porém, a rotina é intensa: seis dias de aulas em período integral”, conta Rafael. No ano passado, o jovem foi um dos selecionados para o Intercâmbio Cultural do Centro Paula Souza. Ele já havia se destacado com projeto Smart Brailler e Colete Sinalizador, selecionado para a 8ª Feira Tecnológica (Feteps) e que também rendeu à Etec o Prêmio Construindo a Nação 2014.