Aberta VI Semana Municipal Antidrogas de Santos

O principal foco da discussão deste ano é o aumento do número de usuários de drogas lícitas e ilícitas entre crianças e adolescentes

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201322h55

Órgãos municipais de prevenção e combate ao uso de drogas e álcool apresentaram políticas públicas  que vem sendo desenvolvidas  na Cidade,  na abertura da VI Semana Municipal Antidrogas de Santos, na manhã de ontem, no auditório da Associação Comercial de Santos (ACS). O principal foco da discussão deste ano é o aumento do número de usuários de drogas lícitas e ilícitas entre crianças e adolescentes.

A Semana, promovida pelo Conselho Municipal Antidrogas (Comad),  segue com palestras e atividades nas escolas até o dia 26 — Dia Internacional de Combate às Drogas. O evento foi aberto pelo presidente do Comad, Eustázio Alves Pereira Filho que contou com a presença do secretário municipal de Administração, Edgar Mendes Batista Júnior, representando o prefeito João Paulo Tavares Papa.

Eustázio destacou a importância do trabalho integrado entre o Comad, o Conselho Municipal de Entidades de Bairros (Comeb), escolas e universidades, Conselho Estadual Antidrogas e Secretaria Nacional Antidrogas (Senad).

A discussão de ações de orientação, prevenção e reabilitação de usuários de drogas tem como público alvo crianças e adolescentes, conforme citou em sua explanação Fernanda Garcia da Cruz, membro do Centro Municipal de Prevenção Primária ao Uso de Substâncias Psicoativas (CEMPRI). Fernanda chamou a atenção para o número crescente de menores dependentes, ressaltando que os usuários são cada vez mais precoces.

A palestrante disse que o CEMPRI promove ações preventivas com ênfase para fatores de risco e progressão das drogas lícitas e ilícitas. A unidade realiza palestras dinâmicas e interativas em escolas e universidades sobre o alcoolismo e o tabagismo, atuando sobre “três eixos: comunidade, saúde e educação”. Já no campo da saúde, cerca de 276 agentes do Programa de Controle de Tabagismo — parceria entre o CEMPRI e o INCA — também fazem visitas domiciliares para conscientização das famílias.

Nas escolas, o CEMPRI promove o projeto escola sem tabaco com a realização de concursos para estimular os alunos. Fernanda falou do trabalho de orientação e prevenção às drogas e álcool que vem sendo desenvolvido na EMEF Pedro Crescenti, na Zona Noroeste, com 515 alunos de 8 a 10 anos de idade. A pesquisa iniciou em agosto do ano passado e o aproveitamento, segundo Fernanda, foi de 80%. Ao término do programa será analisada a eficácia do programa.

Em seguida, a diretora da Seção Núcleo de Atenção ao Toxicodependente (Senat), Rosane Conde Magalhães, explicou como funciona a seção que trabalha não só na prevenção, mas também na reabilitação de dependentes químicos.

De acordo com Rosane, o Senat mantém um planejamento estratégico com supervisão da Universidade Federal de São Paulo, e conta com equipe multidisciplinar, 19 grupos terapêuticos por semana e promove atendimentos individuais também.

A Senat, segundo Rosane, já foi considerada centro de referência metropolitana. Em 2005, 12% da demanda de atendimentos eram pessoas de outras cidades, em 2006, o percentual caiu para 3,6%, e este ano, a unidade assiste somente moradores de Santos.

Em sua palestra, Rosane disse que 49,7% da demanda permanece em tratamento, 35% interromperam o tratamento, 10% tiveram alta e 6% estão internados. Rosane adiantou que 30 vagas para internação devem ser abertas por meio de convênio com entidades terapêuticas, para atender principalmente crianças e adolescentes. Mas informações sobre a programação do evento podem ser consultadas no site da Prefeitura de Santos www.santos.sp.gov.br