X

Eleições 2022

TSE restringe transparência sobre bens de candidatos

Medida tem como base a Lei de Proteção de Dados, mas é apontada por especialistas como um grave retrocesso na transparência eleitoral

Folhapress

Publicado em 02/08/2022 às 15:21

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) / Marcelo Casal Jr/ Agência Brasil

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) restringiu nas eleições deste ano a divulgação de informações sobre os bens dos candidatos, o que vai evitar que eleitores e a sociedade em geral saibam, por exemplo, o nome das empresas pertencetes a quem está disputando os cargos de presidente da República, governador, senador ou deputado.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A medida tem como base a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), mas é apontada por especialistas como um grave retrocesso na transparência eleitoral.

A divulgação dos bens dos candidatos tem, entre outros objetivos, permitir aos eleitores acompanhar e eventualmente identificar evoluções patrimoniais suspeitas ou conflitos de interesse.

Com a restrição, por exemplo, o eleitor será informado que um dos candidatos à Presidência da República, o coach motivacional Pablo Marçal (Pros), tem "outras participações societárias" no valor de R$ 13,7 milhões, mas não saberá qual empresa é essa, em qual ramo atua, nem em que cidade fica.

Pablo foi um dos primeiros presidenciáveis a registrar seu pedido de candidatura.

A Folha encaminhou perguntas ao TSE na tarde desta segunda-feira (1), mas ainda não obteve resposta.

"Consideramos tratar-se de um grave retrocesso na transparência das candidaturas e do processo eleitoral – que, se já seria crítico em um contexto de normalidade, é inadmissível na conjuntura atual, quando pode servir de argumento a questionamentos da lisura das eleições no país", diz manifesto conjunto divulgado nesta terça-feira (2) por associações, entre outras, de transparência e fiscalização partidária, como o Transparência Brasil e o Transparência Partidária.

O texto é direcionado aos ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes, respectivamente presidente e vice do TSE.

"Solicitamos a Vossas Excelências a retomada imediata da divulgação completa das informações de declaração de bens dos(as) candidatos(as), em consonância com o direito constitucional de acesso a informações públicas e com a tradição do Tribunal Superior Eleitoral enquanto órgão aberto e transparente", afirma o texto.

Em 2018, a Folha mostrou que mesmo antes da LGPD o TSE já havia se movimentado no sentido de restringir as informações dos bens dos candidatos. Na época, porém, o tribunal afirmou que voltaria atrás.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Eleições 2022

Lula tem 45% contra 33% de Bolsonaro no primeiro turno, aponta pesquisa

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos; segundo a pesquisa, 43% avaliam o governo de forma negativa, e 27% de forma positiva

São Vicente

Quatro Unidades Básicas de Saúde passam a atender em novo horário a partir de terça (23)

Iniciativa busca melhorar o atendimento à população de São Vicente

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software