Governo de São Paulo amplia os públicos da vacinação contra gripe

Colaboradores dos Correios, Metrô, CPTM, limpeza pública e pessoas em situação de rua serão imunizados a partir desta segunda (15); medida conta com 600 mil doses extras cedidas pelo Instituto Butantan

Comentar
Compartilhar
15 JUN 2020Por Da Reportagem20h04
A campanha no Estado está prorrogada até o próximo dia 30Foto: Agência Brasil

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo recebeu 600 mil doses extras da vacina contra a gripe do Instituto Butantan e vai disponibilizar a partir desta segunda-feira (15) para colaboradores do Metrô, CPTM e Correios, funcionários da limpeza urbana e pessoas em situação de rua.

A campanha no Estado está prorrogada até o próximo dia 30 e um dos objetivos é aumentar a cobertura vacinal de alguns públicos que estão abaixo da meta de 90%, entre eles gestantes (44,5%), 39 mil puérperas (52,5%) e crianças entre seis meses e menores de seis anos de idade (48%). Também há baixa procura pelas pessoas com idade entre 55 e 59 anos (38,7%), com 784,9 mil doses aplicadas.

“A vacinação é fundamental, especialmente neste momento da pandemia de COVID-19, pois ajuda a evitar doenças respiratórias causadas por gripes e resfriados que são mais frequentes nesta época do ano”, pontua a diretora de Imunização da Secretaria, Nubia Araújo.

Todos os que procurarem uma unidade básica de saúde e estiverem nos grupos previstos poderão receber a dose da vacina, que é segura e eficaz.

Balanços

A meta da campanha é vacinar 90% da população-alvo de 17,7 milhões de moradores de SP. Hoje, o percentual geral é de 82,8%, com variação de adesão entre os diferentes grupos.

A cobertura de vacinação atingiu 100% entre idosos (5,8 milhões vacinados) e profissionais da saúde (1,4 milhão) e indígenas (6,5 mil).

Também foram imunizados 261,2 mil professores, 18 mil doses aplicadas em pessoas com deficiência e 2,5 milhões de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas.

Mais de 217,6 mil doses foram aplicadas em pessoas do sistema prisional; 167,4 mil em profissionais das forças de segurança e salvamento; 129,9 mil em caminhoneiros; 79,6 mil em profissionais de transporte coletivo; e 8 mil em trabalhadores portuários.

Neste ano, o Instituto Butantan entregou ao Brasil 75 milhões de doses da vacina, 10 milhões a mais em comparação a 2019. E as doses são constituídas por três cepas de Influenza: A/Brisbane/02/2018 (H1N1)pdm09; A/South Austrália/34/2019 (H3N2); e B/Washington/02/2019 (linhagem B/Victoria).

Coronavírus

A vacina contra a gripe não imuniza contra o novo coronavírus, mas a campanha é fundamental para reduzir o número de pessoas com sintomas respiratórios nos próximos meses. “Além de proteger a população contra a Influenza, precisamos minimizar o impacto sobre os serviços de saúde em meio a pandemia de COVID-19, já que os sintomas destas doenças são semelhantes”, diz o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

A orientação aos profissionais que trabalham na campanha é para que haja organização da fila e do ambiente. Além disso, é importante realizar uma triagem com identificação de sintomático respiratório – presença de febre, tosse, coriza e falta de ar. Se a pessoa apresentar febre ou mau estado geral, deve ser colocada máscara no paciente e adiada a vacina, com recomendação para seguir o isolamento domiciliar.

As equipes devem anotar as doses aplicadas, com mesas e distanciamento de pelo menos um metro entre o anotador e paciente. Cada profissional tem a recomendação de usar caneta própria e álcool deverá ficar disponível para uso.