Central Única das Favelas garante mesa farta no Dia das Mães

Mais de 600 mil mães foram atendidas; na região também teve doação de alimentos

Comentar
Compartilhar
09 MAI 2021Por Da Reportagem20h29
A Central Única das Favelas se mobilizou em todo o país e entregou quase 17 milhões de alimentos, 2 milhões a mais do que o previstoA Central Única das Favelas se mobilizou em todo o país e entregou quase 17 milhões de alimentos, 2 milhões a mais do que o previstoFoto: DIVULGAÇÃO

Mãe da favela tem sinônimo: resistência! A maioria trilha esse caminho sozinha.  Segundo dados do IBGE, 57% das mães solo do país vivem na pobreza. A renda mensal que em média é de R$ 400 , caiu ainda mais na pandemia. Algumas empregadas domésticas, faxineiras, autônomas,  passaram a integrar os mais de 14 milhões de desempregados, número divulgado pelo mesmo IBGE na semana passada.

Karina Lima, 34 anos, e 4 filhos, com idades entre 2 e 12 anos são um exemplo dessa perversa estatística. Em um dos muitos dias em que não tinha comida, dividiu  sobras do pão embolorado. "Tirei os pedaços do bolor e dei pra eles comerem, foram parar no hospital, mas o que podia fazer?", afirma .

Para ela e tantas outras famílias neste domingo, mãe da favela também ganhou um outro significado: coragem e esperança. A CUFA, Central Única das Favelas, se mobilizou em todo o país e entregou quase 17 milhões de alimentos, 2 milhões a mais do que o previsto. Mais de 630 mil mulheres também levaram para casa uma rosa   

Na Baixada Santista           

Diversas centrais espalhadas pelas cidades da região aderiram a essa corrente de mobilização. No Japuí, em São Vicente, teve café da manhã para as mães. Elas receberam  rosas, trufas e um kit de beleza com creme hidratante.  Em Santos, na Cufa Embaré , a música deu uma pitada a mais de sabor para a mesa farta e houve distribuição de cestas básicas.  No Guarujá, mais alimentos foram doados, assim como em Peruíbe e Praia Grande.  

" Conseguimos atender só neste domingo mais de mil famílias na região", afirma Deraldo Silva, coordenador da CUFA Baixada Santista.

É como diz o poema que inspirou essa mobilização: " e se quer saber o rumo do mundo pergunte a uma mãe. Todas elas . Pretas, Indígenas, Ribeirinhas , Mães da favela, Múltiplas. Guerrilheiras...O caminho, o rumo, É ELAS. MÃES DA FAVELA."