Após tempestade, SP tem 45 semáforos apagados e 95 quedas de árvores

O Corpo de Bombeiros foi acionado em 105 chamadas para atender casos de inundação

Comentar
Compartilhar
21 MAR 2018Por Folhapress19h01
rês pessoas morreram por consequências da chuva -?uma criança, uma idosa e um segurançaFoto: Alex Silva/Estadão Conteúdo

A tempestade que atingiu a capital paulista entre a tarde e a noite desta terça-feira (20) ainda provocava reflexos na manhã desta quarta-feira (21). Três pessoas morreram por consequências da chuva -?uma criança, uma idosa e um segurança.

O aguaceiro inundou ao menos 52 pontos da capital paulista e afetou 45 semáforos. Por volta das 11h desta quarta, 36 equipamentos seguiam apagados e outros sete com amarelo piscante, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Ao todo, a capital paulista possui 6.400 semáforos.

Os bombeiros informaram que atenderam 95 ocorrências relacionadas a árvores. Foram 82 na terça e 13 até as 9h desta quarta. De acordo com o capitão Marcos Palumbo, os atendimentos incluem quedas de árvores, galhos e estruturas que não caíram por completo ou ainda que estão em perigo de despencar.

A corporação também foi acionada em outras 105 chamadas para atender casos de inundação.

Tempestade

A chuva que caiu na capital foi a primeira do outono, estação que deu as caras às 13h15 desta terça.
Choveu 35,1 milímetros -cerca de 20% do esperado para o mês de março, de acordo com dados do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergência), órgão da prefeitura.

O temporal colocou toda a cidade em estado de atenção e foi acompanhado de muitos raios. Segundo o Elat (Grupo de Eletricidade Atmosférica), do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) caíram 4.360 descargas na capital paulista, com maior incidência das 16h às 20h desta terça. "Esse número é considerado muito alto para a cidade em 24 horas", informou o órgão do Inpe.

Ao menos 26 vias ficaram alagadas e interditaram corredores de transporte cruciais, como a Marginal Tietê e as avenidas Rebouças e 23 de Maio.

Mortes

No Limão (zona norte), parte da parede de uma casa desabou na rua Maria Renata e atingiu uma uma idosa de 80 anos, segundo os bombeiros. Ela sofreu parada cardiorrespiratória, chegou a ser socorrida no local, mas morreu. Outras duas pessoas da casa foram socorridas com ferimentos leves.

A segunda morte ocorreu na rua Capitão Francisco Teixeira, na Água Branca (zona oeste), onde há um córrego. Duas crianças e um adulto foram atingidos pelo desabamento de uma casa.

Segundo o capitão Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros, a casa foi arrastada pela enchente, e as vítimas foram levadas também. "Os escombros pararam na boca de um córrego", afirmou. Uma das crianças, com cerca de 1 ano, foi levada à AMA Sorocabana, na Lapa (zona oeste), onde morreu. O adulto e a outra criança ficaram feridos.

Em Pinheiros, também na zona oeste, um vigilante de 43 anos foi atingido por uma árvore de grande porte que caiu em cima dele e o prendeu. Ele foi socorrido pelos bombeiros e levado ao Hospital das Clínicas, e morreu no local.

Em nota, a gestão Doria (PSDB) afirmou que lamenta as mortes. Segundo a prefeitura, as chuvas "foram consideradas muito acima da média".

Previsão

Para o CGE, as temperaturas não deverão subir muito nesta quarta, em função da grande cobertura de nuvens e da influência dos ventos que passam a soprar no sul e no sudeste.

Na quinta-feira (22), as instabilidades diminuirão sobre o estado, mas ainda são previstas chuvas isoladas de curta duração e com baixo potencial para a formação de alagamentos. As temperaturas devem variar entre 19°C e 26ºC.

Já na sexta (23), a quantidade de nuvens diminuirá e o sol ganhará força. A máxima prevista será de 28°C, com índices de umidade do ar entre 50% e 90%.