Entrada da Cidade

Decreto garante transporte grátis para a Festa do Bom Jesus da Ilha Diana

As barquinhas, com capacidade para 45 passageiros, sairão a cada meia hora do atracadouro atrás da Alfândega, no Centro Histórico

Comentar
Compartilhar
11 AGO 2018Por Da Reportagem04h30
Decreto garante transporte grátis para a Festa do Bom Jesus da Ilha DianaFoto: Raimundo Rosa/PMS

Mais um bom motivo para participar, neste sábado e domingo, da Festa do Bom Jesus da Ilha Diana: transporte hidroviário de passageiros grátis, conforme o Decreto nº 8.189, publicado na edição de sexta-feira (10) do Diário Oficial Digital. As barquinhas, com capacidade para 45 passageiros, sairão a cada meia hora do atracadouro atrás da Alfândega, no Centro Histórico, mas menores de 12 anos só poderão embarcar acompanhados de um adulto. O percurso é cumprido em cerca de 20 minutos.

A tradicional festa de Bom Jesus, que começa às 10h e prossegue até o final da noite, contará com comidinhas típicas caiçara e tainha assada na brasa, além de atividades voltadas ao público infantil, das 11h às 16h, coordenadas pela contadora de histórias e atriz Claudynha Torre. A missa campal será celebrada amanhã (11), às 15h, pelo padre Claudenil Moraes, da Catedral.

Haverá ainda oficina aberta de reciclagem com tecido de guarda-chuvas, a cargo de Adélia Hermínia, e quatro artesãs se responsabilizarão pelas barraquinhas de arte – ecojoias com escama de peixes e reciclagem de espelhos, de Sandra Cristina Moraes; bolsas com jeans e lonita reciclados, de Helena Vilaverde; peças com fuxico, de autoria de Adélia Hermínia, e em cochê, de Josefa Cândido.

Com cerca de 260 moradores e 60 residências, a Ilha Diana, que tem 30 mil m², está localizada no Estuário de Santos, no rio Diana, a 20 minutos do Centro Histórico. A ilha começou a ser ocupada em 1940, com a remoção das famílias que ocupavam área onde foi construída a Base Aérea de Santos. É uma das únicas colônias de pescadores existentes na região.

SHOWS

A programação musical tem início às 17h, do Grupo de Fandango Manema, de Iguape, que busca resgatar e manter a tradição da cultura caiçara. Às 20h, é a vez do grupo Tchu Tchu Tchu, da Roda de Samba Ouro Verde, subir ao palco para mostrar samba de raiz – o projeto musical surgiu em 2012 entre um grupo de amigos, músicos e simpatizantes do bairro do Marapé. A noite terá ainda show do cantor santista Anderson Fernandes, que apresenta seu samba com influência de ritmos como soul e suingue.

No dia 12, a partir das 14h, os irmãos santistas Adiel e Kainan mostram o ritmo dos sertanejos universitário e de raiz, seguindo-se apresentação do sambista Ney do Cavaco & Trio. A programação será encerrada com a Ouro Verde, a mais tradicional roda de semba do litoral paulista, com mais de 30 anos de existência.

Colunas

Contraponto