Bitcoin desaba pelo 2º dia e cai abaixo de US$ 10 mil com incertezas

As criptomoedas recuam após notícias de que a Coreia do Sul e a China poderiam proibir transações com as moedas virtuais

Comentar
Compartilhar
17 JAN 2018Por Folhapress18h45
As criptomoedas recuam após notícias de que a Coreia do Sul e a China poderiam proibir transações com as moedas virtuaisFoto: Michael Wensch/Domínio Público

O bitcoin sofre forte desvalorização pela segunda sessão seguida e é negociado abaixo de US$ 10 mil por causa de preocupação dos investidores com notícias envolvendo a regulação das criptomoedas.

Às 13h49, o bitcoin caía 9,93%, para US$ 9.656, quase metade do pico de US$ 18.674 em dezembro de 2017.

O ripple recuava 10,6%, e o ether tinha baixa de 15,23% no mesmo horário.

As criptomoedas recuam após notícias de que a Coreia do Sul e a China poderiam proibir transações com as moedas virtuais, aumentando os temores de que esse mercado comece a ser regulado.

Além de Coreia do Sul e China, o Japão também sinaliza que vai começar a regular as criptomoedas, enquanto França e Estados Unidos investigam as moedas virtuais. Isso levanta temores de que a coordenação global em torno da regulação desse mercado deve ganhar força.

A expectativa é que, na reunião do G20 na Argentina, em março, o tema seja discutido por autoridades.

Na terça-feira, o bitcoin desabou 23%, a maior queda diária em quatro anos.

Analistas especulam que a criptomoeda esteja passando por um processo de realização de lucros, após as fortes altas registradas em 2017 -acumulou ganho de 1.400% no ano passado.

Não é a primeira vez que o bitcoin passa por uma turbulência do tipo. Em 2011, em um período de cinco meses, a moeda virtual perdeu 93% de seu valor.

Diário da Copa

RUSSIA 2018
Faltam
dias para a Copa

Colunas

Contraponto