21h : 56min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Usuários do SUS poderão ter acesso a terapias alternativas em Guarujá

Plenário da Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, o Projeto de Lei 110/2017, que institui o 'Programa de Terapias Naturais, pela Secretaria Municipal de Saúde',

Comentar
Compartilhar
06 SET 2017Por Da Reportagem16h01
Usuários do SUS em Guarujá poderão ter acesso a programas de terapias alternativasFoto: Divulgação

Em breve, os usuários do SUS em Guarujá poderão ter acesso a programas de terapias alternativas, como meditação, reiki e arteterapia que têm sido oferecidos através de convênios com o Governo Federal.
 
Na sessão legislativa desta terça-feira (5/9), o plenário da Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, o Projeto de Lei 110/2017, de autoria do vereador Edilson Dias (PT), que institui o 'Programa de Terapias Naturais, pela Secretaria Municipal de Saúde', em âmbito local.

A medida abre caminho para formalização de convênios com o Ministério da Saúde, aos moldes do que está previsto na Portaria n° 971, de 2006, e Portaria n° 849, de 2017, incluindo a 'Terapia Comunitária Integrativa' e a 'Yoga' à política nacional de práticas integrativas e complementares oferecidas gratuitamente pelo SUS.

Trâmite

Com a aprovação dos vereadores, o projeto de lei segue agora para análise do prefeito Válter Suman (PSB). Se sancionado, permitirá a implantação das terapias naturais nas unidades de saúde do Município, centros de atenção psicossocial - CAPS e Hospital Municipal.

Os convênios também preveem a disponibilidade de medicamentos naturais para os pacientes atendidos na rede pública de saúde; o estímulo à utilização de técnicas de avaliação energética das terapias naturais; assim como ampla divulgação, através de campanha do Programa de Terapias Naturais, sobre os benefícios decorrentes dessas terapias.

Saiba mais

São consideradas Terapias Naturais, dentre outras: Massoterapia; Shiatsu; Reflexologia; Do-in, Fitoterapia; Acupuntura; Quiropraxia; Bioenergética; Aurículoterapia; Cromoterapia; Iridologia; Meditação, Aromaterapia;  Homeopatia não médica; Oligoterapia; Reiki;  Arteterapia; Terapia Floral;Yoga; Trofoterapia; Geoterapia; Hidroterapia;Ginástica Terapêutica; Terapias de Respiração e Quiropraxia.

De acordo com Edilson Dias, as modalidades terapêuticas adotadas através do Programa de Terapias Naturais deverão ser desenvolvidas por profissionais devidamente habilitados em cursos especializados ou profissionalizantes que estejam inscritos nos respectivos órgãos de classe municipal, estadual ou federal ou em entidades representativas de terapeutas naturistas, legalmente reconhecidas.

Benefícios x despesas

Dias também destaca o custo-benefício da iniciativa. “É um projeto que, além dos benefícios comprovados por pesquisas da USP e UNIFESP para a saúde, não trará despesa para o município, pois as despesas ocorrerão por conta de dotações orçamentárias próprias em convênio com o SUS e que abre mais um campo de trabalho para os profissionais da área”,destaca o vereador.

Dados

Segundo o Ministério da Saúde, atualmente, 1.708 municípios já oferecem práticas integrativas e complementares Mais de 7.700 estabelecimentos de saúde ofertam alguma prática integrativa e complementar, o que representa 28% das Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Colunas

Contraponto