Banner Sabesp

Obras para acabar com erosão começam hoje

O contrato já foi assinado e vai custar R$ 2,9 milhões, oriundos de multa ambiental por acidente ocorrido no Porto de Santos

Comentar
Compartilhar
03 JAN 2018Por Da Reportagem10h32
trecho onde estão os montes de areia, entre o canal 6 e o Orquidário, ficará interditado por mais 40 diasFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Começam hoje e terminam aproximadamente em 10 de fevereiro, as obras do projeto piloto para minimizar a erosão e os danos causados pelas ressacas na Ponta da Praia. O trecho onde se encontram os montes de areia – entre o Canal 6 e pouco além do Orquidário – ficará interditado durante os pouco mais de 40 dias em que os trabalhos estiverem sendo realizados.

Será construído um molhe com geoformas de tecido geotêxtil preenchidas com areia da praia. O contrato já foi assinado e vai custar R$ 2,9 milhões, oriundos de multa ambiental por acidente ocorrido no Porto de Santos e liberados pelo Ministério Público (MP).

Serão montadas duas estruturas submersas. Uma a partir da mureta da orla, altura da Rua Afonso Celso de Paula Lima. Ela segue mar adentro por 275 metros. A outra paralela ao muro, em direção ao Canal 6, com 240 metros de extensão.

Para o preenchimento das geoformas, serão necessários sete mil metros cúbicos de areia, material retirado do Canal 2. O projeto é embasado em nota técnica, desenvolvida pelos professores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Tiago Zenker Gireli e Patrícia Dalsoglio Garcia. Ele foi disponibilizado sem custos para a Prefeitura. Além de reduzir a energia das ondas, servirá para ampliar conhecimentos que indicarão intervenções definitivas para conter o processo erosivo dos últimos anos.

Ontem, em entrevista em frente ao Aquário, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) reafirmou que os trabalhos iniciados hoje serão de preparação do local e que já na próxima segunda-feira os bags começam a ser colocados. “Depois da colocação dos bags, teremos um tempo de acomodação para, só então, avaliar se houve diminuição da energia das ondas e isso deve ocorrer em abril, quando ocorrem as ressacas”, finalizou.

Colunas

Contraponto