Santos Vacinação 2

Governo Federal cede a Vila Esperança para a Prefeitura

A região da Vila Esperança surgiu, há cerca de 25 anos, de invasões em áreas de marinha, portanto pertencentes ao Governo Federal

Comentar
Compartilhar
27 DEZ 2017Por Da Reportagem10h50
Medida permite que os cerca de 1,5 milhão de metros quadrados sejam usados para projetosFoto: Divulgação/PMC

A Secretaria do Patrimônio da União (SPU), órgão do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, transferiu para a Prefeitura de Cubatão por período indeterminado a área de 1.492.312,42 metros quadrados onde está a Vila Esperança.

Segundo Andrea Maria de Castro, secretária municipal da Habitação, “a medida é fundamental para que a Prefeitura dê início efetivo aos projetos habitacionais previstos para o núcleo”. A decisão permite a regularização fundiária de toda a área onde está o núcleo original da Vila Esperança, mais o Morro do Indio, Caic, Imigrantes, entre outros”.

A região da Vila Esperança surgiu, há cerca de 25 anos, de invasões em áreas de marinha, portanto pertencentes ao Governo Federal. É, hoje, o núcleo de maior densidade populacional de Cubatão, com cerca de 20 mil habitantes.

Entre os projetos previstos para Vila Esperança consta a primeira fase do programa Minha Casa Minha Vida, que prevê a construção de 800 moradias. “Até a publicação desta portaria, toda a área da Vila Esperança pertencia à União e a Prefeitura estava impedida legalmente de implantar, ali,  projetos de reurbanização e habitacionais”, explicou Andrea.

O próximo passo, após a assinatura do contrato de cessão, será a obtenção da escritura, em nome da Prefeitura, no cartório de registro de imóveis de Cubatão.

Condições

A doação da SPU é específica para que a Prefeitura implante o projeto de urbanização integrada e reassentamento de moradias em áreas de risco e ambiental, sobre as quais se formou a Vila Esperança. De acordo com a portaria, tais projetos trarão benefício direto para aproximadamente cinco mil famílias.

Dos cerca de 1,5 milhão de metros quadrados, 675.500,81 destinam-se à regularização fundiária e reassentamento de famíias que se encontram em áreas de risco; 126.1131,93 à recuperação ambiental de áreas degradadas pela ocupação irregular e 690.679,68 à preservação de áreas de mangue.

O período de cessão é indeterminado, mas o prazo para que a Prefeitura conclua as obras e transfira os títulos de propriedade aos beneficiários é de quatro anos, contados a partir da assinatura do contrato de doação. Esse prazo pode ser prorrogado por igual período, a critério do Governo Federal.

 

Diário da Copa

RUSSIA 2018
Faltam
dias para a Copa

Colunas

Contraponto