Desemprego leva moradores à migração no Litoral Sul

Economia. Falta de emprego e transporte metropolitano caro deixa população apreensiva em Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe

Comentar
Compartilhar
24 JUL 2017Por Diário do Litoral11h00
A falta de oportunidades de trabalho aliada a um transporte público deficitário e caro tem levado muita gente a migrar de cidade para garantir a sobrevivênciaFoto: Rodrigo MOntaldi/Diário do Litoral

O desemprego no País é grande e já atinge 14 milhões de brasileiros. A situação não é diferente na Baixada Santista. Nas cidades do Litoral Sul, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe, onde o comércio é a maior fonte de emprego, sobretudo durante a temporada, o cenário parece pior. A queda dos postos de trabalho reduziu a renda mensal da população e a falta de oportunidades aliada a um transporte público deficitário e caro tem levado muita gente a migrar de cidade para garantir a sobrevivência.

“Tinha que sair uma hora e meia mais cedo e pegar o ônibus mais caro, porque os mais baratos não circulam no horário que eu precisava sair de casa. Gastava quase R$ 400 de transporte para trabalhar em Praia Grande, que é do lado. Em Mongaguá não tem emprego”, disse a recepcionista Thais Ares, de 23 anos.

Thais morava em Mongaguá e trabalha em Praia Grande. A situação da recepcionista é comum a de outros moradores das cidades do Litoral Sul que se deslocam todos os dias para trabalhar em outros municípios da região metropolitana. Cansada da rotina e visando garantir o trabalho, ela decidiu se mudar. “Eu fui morar em Praia Grande porque o aluguel é praticamente o valor que gastava com transporte. Morando perto ganhei três horas de vida útil. Antes, se eu perdesse o ônibus, chegava uma hora e meia atrasada”, explicou.

Mudar de cidade também já é uma opção cogitada pelo desempregado Leonardo Vasconcelos, de 20 anos.

Ele mora em Peruíbe. O seu último emprego foi em um escritório de empréstimos consignados em Miracatu, no Vale do Ribeira. “Saí não faz muito tempo. Eu ia de moto porque eles pagavam a gasolina. Um caminho de 50 quilômetros. Aqui não tem emprego. Tá em falta e é mais na área do comércio. Na minha área só lá para Santos ou São Vicente, mas se for para trabalhar lá, com esse transporte que temos, é melhor ir para São Paulo que tem mais opção e eu tenho onde morar”, afirmou.

Oportunidade

Sentada em um banco das principais vias de Peruíbe, a vendedora Debora Oliveira, de 23 anos, falou sobre a dificuldade de emprego no município e nas cidades do entorno. Segundo a jovem falta investimento no turismo.

“É muito difícil arrumar emprego. Eu consegui há quatro meses, depois de muita batalha. O pessoal geralmente fica empregado apenas na temporada, depois é isso aqui que você está vendo (aponta para as lojas vazias). O dia que a gente consegue vender mais é no dia do pagamento”, afirmou a vendedora que estava aproveitando a hora do almoço.

Segundo Debora, as cidades do Litoral Sul precisam investir em turismo e em cursos de capacitação gratuitos para a população. “Não tem estímulo ao turismo aqui. Se tivesse turista o ano todo teria emprego.

Se o povo não tem emprego como vai comprar no comércio? E tem mais, precisa de capacitação para outras áreas. Quando tem um curso gratuito as vagas são poucas e a demanda é grande. O pessoal não tem dinheiro para pagar curso”, ressaltou.

Números

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015, a renda média mensal dos trabalhadores formais de Peruíbe era de 2,2 salários mínimos. Em 2017, a renda é de um salário mínimo e meio. O número de empregados era de 11.038 pessoas naquele ano e hoje é de 7.284 para uma população estimada em 65.907 pessoas. A profissão mais contratada, e também a mais demitida, na cidade, é a de vendedor.

Em 2015, em Itanhaém haviam 15.992 pessoas empregadas formalmente. Atualmente são 10.090. O rendimento médio do trabalhador era de 2,3 salários mínimos, em 2015 e hoje é de um salário mínimo e meio. Em 2016, a população estimada de Itanhaém era de 97.439. O cargo mais ocupado é o de vendedor.

Já em Mongaguá, em 2015, o número de pessoas ocupadas era 7.784. Hoje a cidade conta com 6.203 empregos formais, sendo o cargo de vendedor o mais ocupado. O salário mensal dos trabalhadores formais era de 2,3 salários mínimos – atualmente é de R$ 1.300,00. A população estimada do município é 53.384 pessoas.

Prefeituras dizem que trabalham para mudar cenário

O Diário do Litoral questionou as três prefeituras sobre ações de fomento ao emprego e geração de renda nas cidades. As Administrações informaram as ações desenvolvidas para o setor nos municípios.

A Prefeitura de Mongaguá informou que tem mantido conversas com o Governo do Estado para implementar cursos profissionalizantes do programa Via Rápida Emprego. Disse ainda que em abril deste ano ofereceu cursos de bartender, camareira e garçom, e no ano passado capacitações voltadas à mecânica de automóveis. A Administração também destacou as oficinas de geração de renda promovidas pela Assistência Social e os cursos oferecidos pela Etec da cidade.

A Prefeitura de Itanhaém também ressaltou a parceria com o programa Via Rápida Empresa, do Governo do Estado, que visa fortalecer os empreendedores da cidade. Citou ainda as ações desenvolvidas com o Sebrae e abertura de mais de duas mil vagas, desde o início do ano, para cursos profissionalizantes em diversas áreas. Atualmente há vagas abertas para os cursos de informática básica, técnicas em vendas do Super MEI, manicure, pedicure e padaria artesanal.

Já Peruíbe respondeu que tem incentivado a capacitação dos moradores por meio de cursos e parcerias com a Secretaria Estadual do Trabalho e de empresas. Destacou ainda a oferta de empréstimos do Banco do Povo Paulista, na cidade, para pessoas que querem ampliar os negócios. A Administração informou que visita periodicamente o comércio local a fim de verificar o movimento e as necessidades do setor.

“Estamos trabalhando bastante para diminuir essa fase ruim que a economia e, consequentemente, os trabalhadores estão passando”, destaca a nota.

 

Colunas

Contraponto