Entrada da Cidade

Baixada Santista: recursos para Turismo não chegam a 0,70%

Dos cerca R$ 9,23 bilhões orçados para 2018 para as nove prefeituras da região, somente R$ 62,4 milhões (cerca de 0,68%) estão sendo destinados ao setor

Comentar
Compartilhar
23 SET 2018Por Carlos Ratton07h42
Assim como a Cultura, os números representam menos de 1% da soma de todos os orçamentos juntosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A informação título dessa reportagem, obtida após consulta às administrações municipais, não deverá sair da cabeça do pequeno, médio e grande empresário que acredita que existe uma preocupação institucional com a pasta em termos regionais. Dos cerca R$ 9,23 bilhões orçados para 2018 para as nove prefeituras da Região Metropolitana da Baixada Santista, somente R$ 62,4 milhões (cerca de 0,68%) estão sendo destinados ao setor de Turismo. Assim como a Cultura, os números representam menos de 1% da soma de todos os orçamentos juntos. Vale a pena salientar que no caso de Bertioga e Peruíbe três áreas - turismo, cultura e esportes – são englobadas. Ou seja, os recursos saem de uma única conta.

Cubatão, que recentemente foi classificada entre outras 45 cidades paulistas como Municípios de Interesse Turístico (MITs) e que passará a receber da Secretaria de Estado do Turismo, anualmente, R$ 650 mil para o desenvolvimento de ações voltadas a esse importante setor econômico, é a que menos investe. Com um orçamento de R$ 1,2 bilhão, aplicará até o final do ano somente R$ 731 mil em turismo (0,06% do orçamento).

Santos, considerada a capital da Baixada, também não apresenta números animadores. Segundo dados fornecidos pela Administração, dos R$ 2,6 bilhões previstos para este ano, somente R$ 3,57 milhões (0,13%) estão sendo destinados à pasta. São Vicente vem em terceiro no quesito pouco investimento. Dos R$ 1,06 bilhão, o Município investe somente R$ 4,2 milhões (0,40%).

Reconhecida como a Pérola do Atlântico por conta das belezas de suas praias, Guarujá vem em quarto lugar entre as cidades da região que menos investem em Turismo. Dos R$ 1,4 bilhão previstos em 2018, só investirá R$ 8,2 milhões (0,59%). Já Praia Grande, que recebe um número significativo de turistas da região, vem em quinto lugar. Dos R$ 1,4 bilhão previstos, somente R$ 11,8 milhões (0,84%) são destinados ao turismo.

Itanhaém, no Litoral Sul, vem em sexto lugar. Dos R$ 410 milhões previstos para 2018, o Município vai investir R$ 3,7 milhões (0,92%) em turismo. Logo em seguida, vem Bertioga. Dos R$ 493 milhões orçados para este ano, R$ 9,6 milhões (1,95%) vão para o turismo. Já Mongaguá, com orçamento de R$ 219 milhões, irá aplicar R$ 7,4 milhões (3,39%) na área. Peruíbe, com orçamento de R$ 280 milhões, pretende investir R$ 12,9 (4,61%) em turismo.

Colunas

Contraponto