Entrada da Cidade

Assaltos ao redor de Igreja preocupam moradores de SV

De acordo com a secretaria da igreja, quase todos os dias alguém chega reclamando de ter sido roubado

Comentar
Compartilhar
07 AGO 2018Por Andressa Aricieri11h22
Assaltos ao redor de Igreja preocupam moradores de SVFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Moradores da Vila Valença, em São Vicente, têm relatado muitos assaltos ao redor da Igreja Nossa Senhora das Graças. De acordo com a secretária da igreja, Idalina de Souza Braz, quase todos os dias alguém chega reclamando de ter sido roubado. 

“Anteontem, um senhor falou que já era a segunda ou terceira vez que ele era assaltado”, pontuou ela. Além disso, ela ainda relatou que esse fato acabava afastando as pessoas de irem para a igreja. As missas normalmente são rezadas ao final da tarde, mas têm estado mais vazias porque as pessoas ficam com medo de sair da própria casa. 

Entretanto, a secretária ainda contou que alguns fieis foram assaltados dentro de suas respectivas residências, levando objetos mais valiosos como carros e computadores.  

Elaini Eller Oliveira, fisioterapeuta, apontou que o pai dela foi assaltado na porta da clínica de fisioterapia deles. De acordo com ela, os moradores ou clientes podem ser abordados a qualquer hora do dia. 

“Nós temos o projeto de vizinhança solidária, mas parece que nada inibe os assaltantes. Eles agem em plena luz do dia, normalmente em dupla e de bicicleta”, explicou Elaini. A moça ainda conta que o projeto com as câmeras ajuda a identificar os assaltantes. 

Alguns moradores comentaram que não há policiamento no local, porém a fisioterapeuta contou que os guardas fazem rondas, mas não são frequentes, o que ocasiona mais assaltos à região. 

Em nota à imprensa, a Polícia Civil afirmou que são feitas operações na região e a investigação de todos os casos registrados no 1°DP da cidade, delegacia responsável pelo bairro Vila Valença. “Os policiais do 39° Batalhão de Polícia Militar do Interior realizam ações constantes na área. A partir de um planejamento estratégico e da análise dos índices criminais, o policiamento é intensificado sempre que necessário”. 

Colunas

Contraponto