X

Saúde

Governo quer "fila única" no SUS para cirurgias e mutirão de atendimento

O novo modelo foi anunciado nesta quinta-feira (27) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, após reunião com gestores municipais e estaduais de saúde

Folhapress

Publicado em 27/04/2017 às 19:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O Ministério da Saúde planeja mudar a forma de acesso a cirurgias eletivas no SUS / EBC

O Ministério da Saúde planeja mudar a forma de acesso a cirurgias eletivas no SUS. A previsão é que essa organização ocorra por meio de uma 'fila única' a cada Estado, com possibilidade de atendimento dividida a cada regional de saúde.

O novo modelo foi anunciado nesta quinta-feira (27) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, após reunião com gestores municipais e estaduais de saúde.

Segundo Barros, a ideia é que a organização traga maior clareza de quantas pessoas hoje aguardam por cirurgias eletivas (ou seja, que podem ser agendadas) no país e possa acelerar o acesso ao procedimento.

"Hoje, na maioria dos Estados, o Estado tem uma fila, a prefeitura tem uma fila, cada hospital tem uma fila. Isso não é possível dentro do sistema e não é o conceito do sistema. Mas, infelizmente, por questões políticas, há uma disputa por esse poder de controlar a fila. Agora conseguimos uma resolução na comissão tripartite (governo federal, Estados e municípios) que define que a fila será única", afirma.

"Queremos organizar o atendimento dessas pessoas de forma justa, afinal o SUS é de acesso universalizado e todos terão o mesmo direito de ser atendidos", diz.

Com o acordo, Estados e municípios terão 40 dias para apresentar a lista de pessoas que aguardam por cirurgias, e para quais procedimentos.

A proposta, porém, vale apenas para cirurgias que podem ser agendadas -a medida não vale para os casos de urgência e emergência.

A partir dessa data, afirma, o ministério planeja organizar mutirões para realização de algumas cirurgias em locais onde a espera é maior, por exemplo. O valor disponível para essas ações no orçamento deste ano é de R$ 360 milhões.

"Vamos aportar nos Estados esses recursos. Mas acordamos que só receberão esses recursos os Estados que tiverem a fila única, com o Sisreg (sistema de regulação) funcionando", diz.

A iniciativa segue exemplo do "Corujão", modelo adotado pela gestão do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) para reduzir a espera por exames.

"No Corujão, a fila se reduziu a 30% depois de conferência. Se organizarmos, vamos conseguir resolver grande parte do problema", afirma o ministro, para quem a fila pode impedir casos de duplicidade nos registros.

"O que provoca [essa situação] é que a pessoa procura uma fila em cada hospital, repete exame, repete consulta", completa.

RECURSOS

Ainda segundo o ministro, o governo também avalia junto aos conselhos que representam secretários estaduais e municipais de saúde a possibilidade de suspender o repasse de recursos destinados ao atendimento de média e alta complexidade para aqueles que não enviarem as informações.

Hoje, a estimativa é que ao menos 800 mil pessoas que aguardam cirurgias eletivas no SUS ainda não foram atendidas. A previsão, porém, é que esse número seja ainda maior.

Apesar do anúncio, ainda não está claro, no entanto, como passaria a ocorrer a organização do atendimento na prática a partir da fila –se um paciente de um município poderia ser deslocado para outro, por exemplo.

De acordo com o ministério, a ideia é que seja mantida a organização por municípios e regiões de saúde dentro de cada Estado. Uma resolução com detalhes sobre o novo modelo deve ser elaborada por um grupo de trabalho formado por representantes dos gestores das três esferas do SUS nos próximos dias.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Tecnologia

Google anuncia 'modo ladrão' para evitar furtos de celulares; entenda

Brasil será o primeiro país do mundo a ter o recurso

Guarujá

Se liga nas chances! PAT de Guarujá está com 66 vagas de emprego; veja os cargos

Atendimento é realizado em Vicente de Carvalho

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter