Saúde

Covid-19: vacinação completa é importante para evitar aumento de casos no final do ano

Com a aproximação das festas, a grande preocupação das autoridades é que as aglomerações de familiares e amigos aumentem a estatística de casos e acabe desencadeando medidas mais restritivas para conter o contágio

Luana Fernandes

Publicado em 14/12/2022 às 17:54

Atualizado em 14/12/2022 às 18:00

Comentar:

Compartilhe:

Vacina / Divulgação/ Prefeitura de Bertioga

Apesar de não ser mais considerada uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde, a Covid-19 continua acometendo novos doentes e fazendo vítimas. Com a aproximação das festas de final de ano, a grande preocupação das autoridades é que as aglomerações de familiares e amigos aumentem a estatística de casos e acabe desencadeando medidas mais restritivas para conter o contágio.

O mundo já teve uma prova da ferramenta que ajudou no controle da doença: a vacinação. Mas tem muita gente que ainda não retornou aos postos de saúde para completar o esquema vacinal. Nesse cenário, segundo a biomédica e coordenadora do curso de Biomedicina da Faculdade Anhanguera, Mariana Cristina Cabral Silva, todas as pessoas elegíveis devem tomar quantas doses de vacina estejam disponíveis e sejam recomendadas pelas autoridades de saúde.

"As vacinas têm mostrado uma gradual redução do poder de imunização, conforme o tempo vai passando. Por isso, sempre que os casos mais graves e de internação começam a subir, os mais atingidos são os idosos, pois esse grupo da população foi vacinado mais cedo e precisa receber as doses de reforço para seguirem protegidos das variantes e mutações do vírus", alerta a especialista.

A professora universitária lembra que a vacina foi a grande responsável pela diminuição das taxas de internação (casos mais graves) e óbitos no Brasil, o que trouxe um cenário de controle da pandemia. Os imunizantes também atenuaram as subvariantes, gerando menor quantidade de casos graves e infecções com menor tempo de duração.

O aumento recente de casos e internações em diversos locais do Brasil levou empresas e órgãos públicos a indicar ou obrigar a volta do uso de máscaras pelo País afora. Na opinião da coordenadora de Biomedicina, para que as UTIs continuem vazias e não tenhamos a volta de restrições maiores, é fundamental que todos se vacinem.

"As festas de final de ano trazem um grande alerta para a possibilidade de elevação das taxas de contaminação e internação pela Covid, por isso é importantíssimo que as pessoas ponham seu esquema vacinal em dia o quanto antes", recomenda a docente.

CENÁRIO ATUAL

Segundo dados do consórcio de veículos de imprensa que mede a adesão do brasileiro à vacina, desde o início da vacinação, cerca de 80% da população está imunizada ao tomar duas doses ou a dose única da vacina, mas apenas 49,5% da população com mais de 12 anos recebeu a dose de reforço. Em algumas localidades do Brasil, para adultos, é possível receber a quarta e até uma quinta dose do imunizante. Com relação às crianças (de 3 a 11 anos), cerca de 36% estão totalmente imunizadas, e 53% tomaram a primeira dose.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A VACINAÇÃO

A seguir, a especialista da Universidade Anhanguera responde às perguntas mais comuns sobre a vacinação contra a Covid-19.

1 - Por que é importante receber as doses disponíveis e indicadas para sua faixa etária?

Com o passar dos meses, é observada uma redução da proteção gerada pela vacina. Manter o esquema vacinal completo é garantia para caso infectada pelo vírus, a pessoa não desenvolva formas mais graves da doença.

2 - Vamos precisar tomar reforço da vacina para sempre?

Ainda não é possível afirmar isso, pois os estudos e evidências sobre a proteção são realizados com a evolução da pandemia. Alguns cenários são possíveis: o surgimento de novas vacinas que não necessitem de reforço; ou ainda atualizações das vacinais de forma anual, que protejam de novas variantes, assim como acontece com as vacinas da gripe.

3 - As doses de reforço causam efeitos adversos?

Não há evidências sobre isso. O organismo das pessoas reage de forma diferente e pode apresentar reações após a aplicação de qualquer uma das quatro doses.

4 - Posso tomar a vacina estando com sintomas de gripe ou resfriado, ou suspeita de Covid?

Não. A recomendação é que a pessoa espere a melhora dos sintomas para receber o imunizante contra a Covid.

5 - Posso tomar a vacina estando com diagnóstico de Covid?

Não. Receber a vacina estando infectado atrapalha a resposta do organismo no combate ao vírus.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Centro Rebouças ganhará novas quadras de areia, em Santos

As novas quadras vêm reforçar ainda mais a superestrutura que o complexo oferece na Ponta da Praia

Guarujá

PAT de Guarujá oferece 34 vagas de emprego nesta quarta (19); confira cargos

Atendimento é realizado em Vicente de Carvalho

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter