X

Saúde

Conheça a "Síndrome do Impostor", que atinge famosas como Juliette e Adele

Mulheres são maiores vítimas do mal em meio a aspectos estruturais e conjunturais, afirmam especialistas

Da Reportagem

Publicado em 13/02/2023 às 10:03

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Psicóloga Marihá Lopes fala sobre o assunto / Raphael Feitoza

Acordar, olhar-se no espelho e se sentir uma fraude. Viver atormentada por sentimentos de incapacidade e inferioridade. Relatada recentemente por personalidades como Juliette e Adele, e já abordada abertamente por nomes como Michelle Obama e Meryl Streep, essa sensação, que aflige grande parte das mulheres, tem nome: a "Síndrome do Impostor".

A Síndrome do Impostor é uma autopercepção ilusória e distorcida das próprias habilidades, que leva indivíduos a acreditarem que não são qualificados para desempenhar tarefas para as quais têm plena competência. O conceito foi criado em 1978 pelas psicólogas clínicas norte-americanas Pauline Rose Clance e Suzanne Imes. Mais tarde, autoras como Jessamy Hibberd e Valerie Young finalizaram a sua definição.

A baixa autoestima intelectual é a principal causadora desse mal paralisante, que costuma apresentar comportamentos duais. Para algumas pessoas, leva à necessidade de transformar a suposta falta de capacidade em horas de trabalho extra como forma de compensação. Há situações em que a pessoa acaba procrastinando as atividades que precisa realizar pelo receio de não conseguir fazer a tarefa ou até mesmo pelo medo de seu trabalho não ser bem avaliado – descreve a Dra. Marihá Lopes, psicóloga clínica especialista em terapia cognitivo-comportamental, EMDR, psicologia social e pioneira no uso da realidade virtual no tratamento de ansiedade e fobias no Brasil.

Um estudo realizado pela Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, mostrou que 70% das entrevistadas, todas executivas influentes, se sentem "uma fraude", ou seja, não merecedoras dos cargos que ocupam. Especialistas classificam a síndrome como sistêmica, parte de uma estrutura patriarcal que condiciona as mulheres socialmente. Além disso, muitas delas vivenciaram histórias de assédio e abuso no ambiente de trabalho, abalando a autoestima. 

  Segundo a especialista, existem alguns meios para combater esse mal, e o principal deles é reconhecer os seus pontos fortes ao listá-los para criar a consciência das suas capacidades.

Busque evidências que vão contra essa ideia de incapacidade. Exercite a autoconfiança com relação aos seus talentos e competências, mantendo uma postura de aparente confiança. Isso te ajudará a dar a impressão de que está decidida. E lembre-se: você é capaz! Admire o caminho percorrido para chegar aonde está hoje. E acredite no seu potencial – aconselha.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Saiba quantas calorias têm os seus lanches favoritos do McDonald´s

Informações foram retiradas do próprio site da rede de fast-food

Diário Mais

Mau presságio? Branqueamento de corais pode ser sinal da morte dos oceanos; entenda

Estruturas são a base do Oceano

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter