Crítica

'Wish Poder dos Desejos ' nos faz desejar uma animação melhor

Produção foi concebida para comemorar os 100 anos de fundação da Walt Disney Pictures

Gabriel Fernandes

Publicado em 14/01/2024 às 17:30

Comentar:

Compartilhe:

Cena de 'Wish' / Walt Disney Pictures/Divulgação

Em comemoração aos 100 anos de fundação da Walt Disney Pictures, o estúdio procurou realizar justamente mais um longa de contos de fadas, gênero que fez o estúdio se estabelecer no mercado durante muitos anos, desde “Branca de Neve e os Sete Anões”, em 1937. Sem tanto alarde, foi então que nasceu "Wish - O Poder dos Desejos".

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Com um roteiro previsível, desinteressante e repleto de clichês, ele procurou apenas se segurar no fato de ter vários easter-eggs das produções que marcaram o estúdio (como "Cinderela", "Pinóquio" e "A Pequena Sereia") e vender isso como uma "carta de amor a Disney". Porém, a única coisa que sentimos é mais uma fraca produção voltada para os adultos, ao invés das crianças (que apenas vão se apegar nos animais e no estilo da animação).

A história é centrada em Asha, que ao completar 18 anos vai até o palácio do Rei Magnífico para lhe "fornecer" o seu maior desejo, que ele futuramente “talvez” consiga realizar. Mas após ela descobrir que ele é um tirânico, a jovem acaba acidentalmente desenvolvendo um ser repleto de energia chamado Star, que tem como poder realizar estes desejos.  

Chega a ser engraçado que nos deparamos com a ótima roteirista Jennifer Lee (responsável pelos dois "Frozen" e várias outras animações da era do ouro da Disney) envolvida nesta fraca produção. Com auxílio na função vindo também de Allison Moore (que apenas escrevia produções pequenas, voltadas para televisões e streamings), e provavelmente de outros executivos do Mickey (que cada vez mais vivem em um universo inexistente), fica perceptível que este filme foi um verdadeiro remendo de várias coisas.   

Quando mergulhamos na trama, logo nos minutos iniciais, tudo acaba sendo previsível por conta das facilidades narrativas. Não existe um motivo plausível do povo idolatrar o Rei Magnífico (que nitidamente foi inspirado em líderes ditatoriais, e apenas os adultos irão entender esta referência); Asha em momento algum convence como uma Princesa Disney para a qual devemos torcer; Star é uma das melhores coisas, mas é uma nítida cópia a estrela do Super Mario Bros (que inclusive roubou a cena no filme deste personagem). E isso só foi a ponta do iceberg.

Para esconder estes descuidos no enredo, entram em ação os personagens de outras produções da Disney, que aparecem apenas em momentos chaves, com o intuito de desviarem a atenção do espectador para estes erros absurdos na trama. Mas nem os cavalos de "Enrolados" e "Frozen" salvam nestas horas.

No meio de tanto tédio e bizarrice, as canções não são sequer marcantes ou interessantes - os números musicais não possuem a vida e magia conhecidas das obras do estúdio. Embora o visual, que mescla animação em desenho 2D e 3D, funcione perfeitamente.

"Wish - O Poder dos Desejos" acaba sendo mais uma comprovação de que a Disney realmente estava uma bagunça. As novas mudanças que estão sendo feitas dentro do estúdio (e que já 'empurraram' muitos filmes para 2025) farão com que produções como esta não sejam mais desenvolvidas desta maneira.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Fim da era Carrile? Entenda o peso do duelo entre Santos e Goiás

Alvinegro Praiano está na sétima posição da Série B

Praia Grande

Haja Paciência! Saída de Praia Grande tem 5 km de lentidão; veja trechos

O epicentro do problema acontece na Avenida Ayrton Senna

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter