Turismo - Cuba faz a lição de casa e volta a receber turistas

Com baixos índices de Covid-19, a ilha caribenha reabre as fronteiras para os turistas, com os devidos cuidados sanitários

Comentar
Compartilhar
29 NOV 2020Por Gazeta de S. Paulo13h45
Cidade de Havana, CubaFoto: Edb3_16

Por Vanessa Zampronho, para a Gazeta de S.Paulo

Não que a pandemia tenha acabado: ela ainda ronda os continentes em uma velocidade cada vez mais avassaladora. Na Europa, por exemplo, países como França, Espanha e Itália enfrentam a segunda onda da Covid. Estados Unidos encabeçam a lista como o país com o maior número de casos.

Mas o mesmo não se aplica a Cuba, que tem feito a lição de casa e está lidando muito bem com o coronavírus, com pouco mais de 7.800 mil casos e menos de 140 mortes por conta da doença. Quando alguém é diagnosticado com a Covid-19, esse paciente já é hospitalizado e as pessoas que tiveram contato com ele são monitoradas.

Além disso, as autoridades sanitárias cubanas divulgam, todos os dias, um relatório do número de contaminados e onde eles se concentram mais - o que ajuda tanto o governo quanto a população a identificar os focos de contaminação e onde atuar com mais intensidade.

 
  • Com baixos índices de Covid-19, a ilha caribenha reabre as fronteiras para os turistas, com os devidos cuidados sanitários
  • PLAYA PILAR. Fica em Cayo Guillermo, ao norte da ilha, que guarda também uma excelente infraestrutura turística. A praia leva este nome porque o escritor norte-americano Ernest Hemingway tinha uma casa de veraneio, e era lá que ele chegava com seu barco '
  • CAYO COCO. Cayo significa ilhota em português, e Cuba tem vários desses. As praias de Cayo Coco seguem o padrão do litoral caribenho, com areia branca e fina e água transparente
  • PLAYA LARGA. Por ficar em uma parte mais interna da Baía dos Porcos, ao sul da ilha, ela possui áreas verdes e parques nacionais mais preservados e extensos

Outra providência foi o fechamento das fronteiras logo no início da pandemia. Isso protegeu a população cubana de uma contaminação ainda maior, e evitou um que o vírus se espalhasse a altas taxas.

Assim, reabrir o país ao turismo não foi uma atitude difícil - hoje, seis aeroportos estão abertos, inclusive o de Havana, que voltou às atividades no último dia 19. Mas isso não significa que liberou geral. Além de passar por medição de temperatura, todos os passageiros que vêm de fora são submetidos a um teste RT-PCR (o mais preciso, e que lá custa US$ 30) e ficam em isolamento em um hotel por 24 horas até que o resultado ficar pronto. Uma vez que deu negativo, o turista faz um novo teste em cinco dias. A restrição é um pouco maior em Cayo Coco, no norte de Cuba. Para entrar lá, o turista deve ter uma reserva confirmada em um dos hotéis da região.

E o turismo é a principal atividade da ilha caribenha, e não é para menos. A propósito, não é apenas uma, mas um arquipélago com mais de 1500 ilhas. A ilha de Cuba é a maior delas, e é onde estão alguns dos pontos turísticos mais famosos. Um deles é a capital Havana, com suas ruas e construções históricas que fazem os turistas viajarem no tempo. Mas são as praias que atraem mesmo os visitantes de outros países.

Cayo Largo ('cayo' significa ilhota em português) tem longas praias de água transparente e areia branca como a Playa los Cocos, a Blanca e a Lindarena. Cayo Coco tem também recifes de corais e pântanos - que recebem visitas de flamingos e íbis-branco. Mais ao sul da ilha, a Playa Larga, bem perto da Baía dos Porcos, é um dos destinos favoritos dos mochileiros que procuram aventura, por conta de parques nacionais e áreas verdes.