Museu Pelé: Protocolo é assinado para transferência de recursos federais

Prefeito de Santos assinou protocolo de propósitos com o governo federal para a liberação de R$ 9,8 milhões, destinados à museologia do equipamento.

Comentar
Compartilhar
18 DEZ 201309h19

Na corrida contra o tempo para que o Museu Pelé fique pronto até a Copa do Mundo, quando Santos abrigará as seleções do México e da Costa Rica, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa assinou nesta terça (17), em Brasília (DF), protocolo de propósitos com o governo federal para a liberação de R$ 9,8 milhões, destinados à museologia do futuro equipamento.

O documento também foi ratificado pelo ministro do Turismo, Gastão Vieira, o presidente do Ibram (Instituto Brasileiro de Museus), Ângelo Santos, e o Rei do Futebol, Edson Arantes do Nascimento.

O protocolo prevê a transferência dos recursos para o Ibram, órgão vinculado ao Ministério da Cultura, que fará convênio com a prefeitura para o repasse da quantia. “Nos próximos dias teremos novidades e devemos formalizar o convênio.

A área de museologia corresponde à montagem dos espaços, que contarão com atrações interativas, galeria para exposição de fotos e quadros, auditório de 100 lugares, setor administrativo e a Sala do Rei, além de área específica para o acervo permanente de mais de 2.300 peças e exposições itinerantes

Esta é uma fase muito importante para a etapa final do Museu Pelé”, disse o prefeito Paulo Alexandre, lembrando dos esforços da prefeitura para a busca de recursos públicos, tanto do governo estadual quanto do federal, para concluir o empreendimento.

No último dia 13, foi publicado no Diário Oficial de Santos a lei 2.943, que autoriza o convênio com o Ibram e também prevê contrapartida municipal de até R$ 1 milhão.

Andamento

A área de museologia corresponde à montagem dos espaços, que contarão com atrações interativas, galeria para exposição de fotos e quadros, auditório de 100 lugares, setor administrativo e a Sala do Rei, além de área específica para o acervo permanente de mais de 2.300 peças e exposições itinerantes.

A previsão é que a obra estrutural seja concluída até fevereiro. Paralelamente, a prefeitura deve publicar em janeiro os editais de licitação referentes à museologia. A construção já atingiu 86% do previsto e está estimada em R$ 38,2 milhões, que serão captados na maioria via leis de incentivo: Rouanet (federal) e ProAc (estadual).

O empreendimento é coordenado pela Ama Brasil, sob execução da MSC Engenharia, com investimentos do BNDES, Santander, Vale, MRS, Ultrafertil, Codesp, Londrina Bebidas, Ambev, Cesp, Sabesp, Sherwin Williams, Gerdau, Cosan, Ecorodovias, Santos Brasil, Carbocloro, Arosuco/Ambev, Trans Sistemas, Frioterm/Mitsubishi, Caio, Comgás, Café Cacique, Suzano e Lojas Garbo, além de recursos do governo estadual e doações da Odebrecht, Vivo, Libra e Miramar Empreendimentos Imobiliários.

Foto: Marcelo Martins