SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

Aeroportos estão voltando aos poucos com novas regras

Confira o que mudou na segurança dos voos com a pandemia do coronavírus

Comentar
Compartilhar
19 JUL 2020Por Gazeta de S. Paulo11h28
O uso de máscaras é acessório obrigatório nos aeroportos e dentro das aeronaves, durante todo o período do vooFoto: Zanone Fraissat/Folhapress

Por Vanessa Zampronho

Aos poucos, a vida vai voltando ao normal, mas não é um normal qualquer. Com o coronavírus ainda por aí, e ele deve ficar um bom tempo entre nós, os cuidados são redobrados, para evitar que ele continue circulando. Em maio, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) desenvolveu os protocolos sanitários que devem ser seguidos pelas empresas de aviação brasileiras.

E são várias as novas regras. Uma delas é sobre o uso de máscaras, acessório obrigatório nas ruas, e agora aeroportos e dentro dos aviões. Ela deve ser usada por passageiros, funcionários do aeroporto e tripulação do avião, o tempo todo.

O álcool em gel também entra na lista de itens obrigatórios: devem estar disponíveis em vários pontos dentro dos aeroportos, e passageiros podem levá-los em frascos transparentes e bem vedados e, em voos internacionais, deve ser acomodado em embalagens de até 100 ml na bagagem de mão. Esses recipientes devem ser apresentados à tripulação na hora do embarque.

Na hora do check-in, a Anac recomenda que os passageiros realizem esse procedimento pela internet, de forma a evitar filas e aglomerações. Mas, caso isso não seja possível, já há marcações no chão indicando o distanciamento social de até dois metros entre uma pessoa e outra. Isso também acontece nas salas de espera dos voos, com bancos isolados. Os banheiros também passam por higienizações mais frequentes, bem como as áreas comuns, por onde passam muitas pessoas.

Dentro das aeronaves, as mudanças aparecem na distribuição dos assentos, sem passageiros uns ao lado dos outros. O serviço de bordo passou por mudanças, como alimentos embalados individualmente e em recipientes fechados, higienizados antes de serem distribuídos. O avião é igualmente higienizado antes das decolagens, e todos os lugares: bancos, braços das poltronas, cintos de segurança, mesas de refeição, as telas touchscreen, saídas do ar condicionado, botões de chamada e luz individual, além das maçanetas das portas e janelas.

 

Quando chegar ao destino, nada de fazer fila no corredor para sair do avião: os passageiros devem esperar a ordem da tripulação para deixar os assentos. Da mesma forma, ao pegar sua bagagem, a recomendação é manter a distância das outras pessoas, como forma de proteção.

Mas não é só no quesito sanitário que houve mudanças. Cancelamentos e alterações nas datas de viagem também mudaram. Se o passageiro decidir trocar o dia da viagem, ele não pagará multas nem taxas adicionais se ele remarcar o voo em 12 meses. Caso a empresa decida cancelar voos, deve avisar o passageiro 24 horas antes e reacomodá-lo em outros voos.

VEJA COMO FUNCIONA

FILA VIRTUAL MÓVEL. A Azul criou o Tapete Azul, um sistema que cria no chão uma projeção de um tapete colorido e móvel, que mostra o seu lugar na fila de acordo com o número do seu assento. Esse espaçamento cria uma distância de quatro metros entre as pessoas, e elas entram na fila somente na hora que o número do seu banco começa a aparecer no tapete. Por enquanto a tecnologia está disponível no aeroporto de Curitiba.

DISTÂNCIA. O ideal, segundo a Anac, é fazer o check-in pela internet, mas, se não for possível, o atendimento nos guichês das empresas aéreas contam com filas que têm marcações no chão, para garantir o distanciamento dos passageiros enquanto esperam ser atendidos.

DESINFECÇÃO. Um produto específico é pulverizado nas áreas comuns de aeroportos, geralmente em horários de menor movimento, que desinfeta o chão, paredes, bancos, maçanetas, banheiros e locais por onde as pessoas passam e colocam as mãos.