Sindaport cobra Codesp sobre negociação da campanha salarial

Categoria não descarta ingresso de dissídio coletivo de greve caso não haja uma resposta da estatal

Comentar
Compartilhar
04 JUN 2016Por Da Reportagem10h50
Acordo coletivo dos empregados da Codesp tem validade aaté maio de 2017, mas uma das cláusulas prevê para este ano a negociação de reajuste salarialAcordo coletivo dos empregados da Codesp tem validade aaté maio de 2017, mas uma das cláusulas prevê para este ano a negociação de reajuste salarialFoto: Arquivo/DL

Mais uma vez, o (Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport) está cobrando da Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo) uma resposta sobre a Campanha Salarial dos empregados da estatal portuária.

Ofício com as reivindicações da categoria já foi enviado à Companhia logo após a realização da assembleia, promovida em 29 de março. Mas, até agora, nenhuma reunião entre representantes do Sindaport e da Codesp ocorreu. A data base dos empregados da empresa é 1° de junho.

“Reiterei mais uma vez ao superintendente de Recursos Humanos da Codesp, Pedro Waller, sobre a necessidade de uma agenda de reuniões para o início das negociações da
Campanha Salarial 2016

Nossos associados já deliberaram em assembleia a data de 29 de junho como prazo final para o fim das negociações. Caso contrário, ingressaremos com o dissídio coletivo de greve no Tribunal Regional do Trabalho”, enfatiza o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos.

O dirigente sindical explica que caso a Codesp não acene com nenhum tipo de negociação neste período, a categoria será chamada para que o sindicato seja autorizado a ingressar com dissídio coletivo de greve, trâmite bem mais rápido do que somente a instauração de dissídio coletivo.

Embora o acordo coletivo dos empregados da Codesp seja válido de junho de 2015 a maio de 2017, consta na negociação que as cláusulas econômicas devem ser discutidas também em 2016. Conforme acordo firmado no ano passado, os portuários já receberam em janeiro deste ano 2% de aumento salarial como antecipação.

SEP

No início de abril, após a aprovação pela categoria da pauta de reivindicações, o Sindaport encaminhou ofícios à Secretaria Especial de Portos e à Codesp sobre os pleitos dos trabalhadores.

Na semana passada, o sindicato recebeu despacho do chefe de Gabinete da Secretaria Especial de Portos, Marcos Mesquita Mendes, informando sobre manifestação técnica do Departamento de Gestão e Logística Portuária. No documento, assinado pelo coordenador geral do órgão, José Alfredo de Albuquerque e Silva, é citado o seguinte:

2 – Normalmente, a minuta de ACT e possíveis ajustes são recebidos para a análise e pronunciamento por este Ministério Supervisor somente depois de discutidos e acordados entre as partes (Codesp e Sindicato), o que não se configura neste caso.

3 – Entretanto, um dos objetivos deste DGLP para o ano de 2016 é a elaboração de um ACT Padrão a todas as Companhias Docas e este pedido de ajustes poderá ser utilizado com insumo.

O Sindaport discorda da manifestação técnica emitida pelo Departamento de Gestão e Logística Portuária, da SEP, uma vez que existem sindicatos que ainda não encaminharam a pauta de reivindicações e há também outros portos que ainda não assinaram o acordo coletivo por conta de pendências referentes ao ano passado.

Reivindicações dos portuários administrativos

1 - Reajuste salarial de 9,76 % (IPC–FIPE), extensivo as demais cláusulas econômicas
2 - Aumento real de 5%
3 - Adicional de turno
4 - Hora de antecipação
5- Opção por vale-transporte ou vale-combustível
6 - Revisão do Plano de Cargos e Salários
7 - Atestado médico de acompanhante
8 - Plano de incentivo e desligamento voluntário.
9 - Aprimoramento funcional - 10 dias com mais flexibilidade
10 - Reflexo do PECS na complementação de aposentadoria
11 - Folgas aos finais de semana - um por mês para os trabalhadores que atuam em turno ininterrupto
12 - Reembolso para plano de saúde particular no mesmo valor do plano de Codesp
13 - Adicional de risco
14 - Manutenção das demais cláusulas