Sem reajuste, servidores de Santos podem entrar em greve

Categoria fez manifestações seguida de ato público na tarde de ontem em frente ao Paço Municipal

Comentar
Compartilhar
18 FEV 2017Por Da Reportagem11h00
Para descontrair os servidores nos intervalos da manifestação, Sindest levou para a praça grupo de animação para participar do atoFoto: Matheus Tagé/DL

Os servidores estatutários de Santos, que ainda lutam por reajuste salarial neste mês, podem entrar em greve. A definição será tomada na próxima segunda-feira, durante assembleia convocada pelo Sindicato dos Servidores Estatutário (Sindest).

O sindicato fez na tarde de ontem um ato público na Praça Mauá, no Centro de Santos, precedido de manifestações e discursos inflamados contra o prefeito Paulo Alexandre Barbosa e a Administração Municipal.

Segundo o presidente do sindicato, Fábio Marcelo Pimentel, a diretoria do Sindest decidiu fazer, durante a manifestação,  uma apresentação artística e circense, bem humorada, criticando a postura do prefeito  em relação à campanha salarial deste ano.

Na segunda-feira, às 18h30, haverá assembleia para definir as próximas atividades do movimento. O sindicalista adianta que a diretoria fará proposta de greve, para a primeira ou segunda semana de março, além de nova manifestação na praça.

Fábio reclama que a prefeitura está intransigente e que isso prejudica, além da categoria, o comércio e a população. O presidente do Sindest foi enfático: “ o povo precisa saber que, se isso acontecer, a culpa não será nossa, mas sim da falta de respeito da prefeitura com o servidor”.

“Até agora”, reclama o sindicalista, “o prefeito sequer aceitou negociar, apesar da data-base de 1º de fevereiro já ter passado. Os salários do mês, portanto, não terão aumento. Nem sequer a correção inflacionária ele propõe”.

Fábio garante que a prefeitura “tem recursos para repor as perdas inflacionárias da categoria e conceder um aumento real. O orçamento municipal para 2017 é de R$ 2 bilhões e 800 milhões. Só não o faz porque não quer”.