Protesto em torre predial vira greve em Santos

Com faixas e carro de som do Sintracomos, o protesto desta quinta-feira, nas fotos de Vespasiano Rocha. Nesta sexta, não haverá protesto. Só na segunda

Comentar
Compartilhar
16 ABR 201518h45

Cerca de 100 trabalhadores da construção civil, principalmente pintores e montadores de esquadrias, entraram em greve nas quatro torres de 20 andares na Rua Silva Jardim, 166, Santos, nesta quinta-feira (16).

Eles pararam por causa do protesto de aproximadamente 60 dos 90 empregados da empreiteira Schahin Engenharia que foram demitidos em 2 de abril e que ainda não receberam as verbas de rescisão contratual.

“É um movimento solidário”, explica o presidente do sindicato dos trabalhadores na construção civil, Marcos Braz de Oliveira, o Macaé. Ele espera que outros 100, totalizando 200, parem na segunda-feira (20).

O protesto em torre virou greve em Santos (Foto: Paulo Passos)

Após os protestos desta quarta e quinta-feira (15 e 16), os demitidos voltarão a se manifestar na segunda-feira (20), quando representantes da empreiteira e da construtora PDG virão a Santos.

“Esperamos que eles tragam o dinheiro dos trabalhadores”, diz Macaé. “Caso contrário, prosseguiremos com os protestos e a finalização da obra poderá ser totalmente paralisada”.