Plano de luta visa garantir direitos do trabalhador portuário

Parlamentares e dirigentes sindicais portuários tentam definir plano de luta para garantir mercado de trabalho

Comentar
Compartilhar
29 JAN 201314h36

O presidente da Força Sindical e deputado federal pelo PDT-SP, Paulo Pereira da Silva, Paulinho; juntamente com o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves (Juruna), e os deputados Beto Mansur (PP-SP) e Marcio França (PSB-SP) debateram nesta segunda-feira (28) com os dirigentes sindicais que atuam no porto de Santos, um plano de lutas para evitar que se concretizem os prejuízos que os trabalhadores terão com a Medida Provisória 595, que estabelece novas regras para o setor portuário.

Na reunião, realizada na sede do Sindicato dos Rodoviários, foi decidido que será realizada uma plenária em Brasília e os trabalhadores vão tentar sensibilizar os parlamentares no Congresso Nacional para aprovar as emendas à Medida Provisória que se referem aos trabalhadores.

Desde que o governo baixou a MP, os sindicatos dos estivadores, dos operários portuários e dos rodoviários, respectivamente Rodnei Oliveira da Silva, Robson de Lima Apolinário e Valdir de Souza Pestana, vêm discutindo os efeitos da Medida.

As emendas à MP 595 devem começar a ser anaalisadas pelo Congresso Nacional em fevereiro. Ao todo, são 645. A comissão que irá analisar as emendas terá 14 senadores e 14 deputados. Os temas propostos são os mais variados, desde a forma das instalações das novas instalações portuárias até a questão do trabalho portuário avulso.

Alerta - Portuários lutam para a garantia do mercado de trabalho (Foto: Matheus Tagé/ DL)