Ministro do trabalho diz na OIT ser contra a flexiblização

Pronunciamento foi ontem durante Conferência da OIT, em Genebra, Suiça. Geração de 5 milhões de empregos também foi tema do discurso. Evento se encerra amanhã

Comentar
Compartilhar
10 JUN 201410h51

Em discurso proferido ontem na Reunião Anual de Revisão da Cooperação Sul-Sul Brasil OIT, da Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra, Suíça, o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, reiterou a posição contrária do Brasil em relação “flexibilização” dos direitos trabalhistas e ressaltou as políticas do país a favor da geração de emprego e renda.

Dias comentou que o Brasil está prestes a atingir a marca de cinco milhões de empregos formais com carteira assinada gerados nos últimos quatro anos, e uma mínima histórica de 4,6% na taxa de desemprego registrada em dezembro de 2013. “O país vem gerando aumentos significativos na renda per capita e a consequente diminuição da desigualdade social”, declarou.

Ele também declarou que o MTE está implementando ações estratégicas como o novo Sistema Único de Emprego e Trabalho Decente e ampliação de programas de qualificação profissional, como o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – Pronatec. Essas ações propiciaram o aumento do índice de emprego formal e a diminuição do desemprego.

Mundo do Trabalho está sendo debatido em Genebra por 185 países (Foto: Divulgação)

Conferência

A 103ª Conferência da Organização Internacional do Trabalho (OIT) ocorre no Palácio das Nações, em Genebra, desde o dia 28 de maio e debates devem se estender até amanhã, com encerramento previsto para a próxima quinta-feira.

O evento deste ano debate trabalho escravo, desemprego e combate ao trabalho infantil.