Metalúrgicos negociam acordo coletivo a partir de hoje

Reintegração de demitidos será decidida no Tribunal Regional do Trabalho

Comentar
Compartilhar
28 JAN 201321h51

O Sindicato dos Siderúrgicos e Metalúrgicos da Baixada Santista se reúnem hoje, a partir das 9 horas, na sede da Usiminas, em Cubatão, para discutir o acordo coletivo de trabalho que afetará cerca de três mil trabalhadores.

O presidente do sindicato, Alvemi Cardoso Alves, disse que apresentará à mesa de negociações, entre outras reivindicações, reajuste salarial de 7,5% e férias dobradas.

A campanha salarial da categoria que tem data base em 1º de maio acontece em meio a um impasse que se arrasta há semanas entre Usiminas e trabalhadores. O sindicato da categoria pretendia iniciar as negociações do acordo coletivo somente após solucionar as demissões efetuadas pela companhia. Sem acordo até o momento para a reintegração de parte dos funcionários desligados, a questão será resolvida no Tribunal Regional do Trabalho.

A Usiminas havia lançado um Plano de Desligamento Voluntário para enxugar 1.326 postos de trabalho até o dia 30 de maio por conta da queda na demanda de aço da companhia, que atua em Cubatão, Ipatinga (MG) e Belo Horizonte (MG).

Porém, devido a baixa adesão ao PDV — apenas 516 trabalhadores aderiram — a empresa então efetuou demissões e pretendia . A companhia pretendia demitir 800 funcionários, e até o dia 23 de maio, havia demitido 244 só na sede de Cubatão, segundo números oficiais.

Ontem, o presidente do sindicato apresentou uma lista com 80 nomes de trabalhadores demitidos para representantes da empresa e do TRT, em reunião realizada na sede empresa, em Cubatão, às 13 horas.

“Entregamos a lista com 80 nomes e vamos aguardar a empresa se posicionar na audiência marcada para quinta-feira, no TRT”, disse Alvemi. A audiência está prevista para as 16 horas. A lista contempla funcionários que estão em vias de se aposentar ou com problemas de saúde, de acordo com Alvemi.