Maack pede a criação de um museu sobre o Raul Soares

Em palestra ontem, no Conferentes, médico preso no navio fez pedido aos sindicalistas

Comentar
Compartilhar
26 ABR 201411h44

Os 50 anos da chegada do navio-prisão Raul Soares ao Porto de Santos, ocorrido em 24 de abril de 1964, foi relembrado ontem numa solenidade no Sindicato dos Conferentes, que teve apoio do Diário do Litoral. Solenidade contou com as presenças de dois presos do navio: médico Thomas Maack e o ex-sindicalista portuário Vitorino Nogueira.

Ao proferir palestra sobre o assunto, o médico Maack, que veio direto dos Estados Unidos para a solenidade, contou como, na condição de preso do navio, fez atendimento a inúmeros sindicalistas. E relatou, com detalhes, como conseguiu fugir do País, se exilando em Nova Iorque, onde vive com sua família até hoje.

O ponto alto da palestra, entretanto, foi quando o médico disse da importância de Santos, por ser o berço do sindicalismo do País, preservar a memória sindical, criando um museu sobre o navio-prisão Raul Soares. Foi aplaudido e seu pedido encontrou respaldo imediato entre os sindicalistas presentes.

Médico Thomas Maack falou aos conferentes sobre as prisões de sindicalistas (Foto: Matheus Tagé/DL)

Herbert Passos Filho, presidente dos químicos e diretor regional da Força Sindical, e Marco Sanches, presidente dos conferentes, informaram que vão se empenhar perante as autoridades locais, para que a ideia siga em frente para sua viabilidade. O ex-portuário Vitorino Nogueira, de 88 anos, que estava acompanhado de seus familiares e que esteve preso no navio na mesma época de Thomas Maack, ficou bastante emocionado durante o evento e teve que se retirar.

Homenagem
O médico Maack foi homenageado pelos sindicatos dos conferentes e dos químicos, pois é apontado como um personagem do navio que ajudou a salcvar vidas de sindicalistas, retirando muitos deles do navio, para serem atendidos na Santa Casa de Santos.

“Em nome do nosso saudoso presidente e fundado do Sindicato dos Químicos, Claudio José Ribeiro, faço a entrega deste diploma e medalha ao Dr. Thomas e o agradeço, em nome de todos os sindicalistas por ele atendidos, pelo que fez”, disse Herbert Passos Filho.

O presidente do Conferentes, Marco Sanches, fez a hiomenagem e mencionou dois conferentes, já falecidos, que também estiveram presos no navio Raul Soares. Além de sindicalistas e associados do conferentes, o evento contou também com a presença do vereador Cacá Teixeira(PSDB).

Vitorino Nogueira, aos 88 anos, foi um dos presos do navio Raul Soares, em 1964 (Foto: Matheus Tagé/DL)