FEMINICIDIO

Luto no sindicalismo: morre Beto Santos, diretor do Sindest

Além de sindicalista, Beto Santos era ator e iria representar o movimento sindical em Raul Soares, o filme, cujo projeto será lançado neste domingo (26)

Comentar
Compartilhar
24 MAI 2019Por Da Reportagem16h18
O sindicalista em recente assembleia de campanha salarial dos servidores municipais estatutáriosFoto: Divulgação

Morreu nesta sexta-feira (24), em casa, aos 57 anos, o diretor financeiro do sindicato dos servidores municipais estatutários de Santos (Sindest), Carlos Roberto dos Santos, mais conhecido por Beto Santos.

Vítima de infarto, o sindicalista chegou a pedir socorro, por telefone, à mãe de sua filha, por volta das 9h30, dizendo que estava passando mal e que chamasse o Samu.

Quando ela e a equipe médica chegaram ao apartamento em que morava, de aluguel, no bairro Gonzaguinha, em São Vicente, tiveram que arrombar a porta. O corpo foi encaminhado ao IML.

Nascido em 22 de março de 1962, Beto estava em tratamento cardiológico por causa do estresse com a situação financeira do sindicato. Deixa a filha Ana Carolina Freitas Anastácio Santos, de 13 anos.

“Perdemos um companheirão”, diz o presidente do sindicato, Fábio Marcelo Pimentel, bastante abatido com a morte do amigo. “Sofreu muito com as dificuldades administrativas e financeiras do Sindest”.

Seus companheiros de diretoria e funcionários do sindicato estão perplexos com o fato e todos ressaltam suas qualidades pessoais e profissionais, principalmente a amizade e a solidariedade.

Filiado primeiro ao PCB e depois ao PCdoB, Beto Santos estreou na vida sindical em 2002, como diretor de comunicação do sindicato dos servidores Sindserv, onde ficou até 2005.

Em 2006, no cargo que ocupava na secretaria municipal de cultura (Secult), foi procurado por Fábio Pimentel para compor a chapa que venceria a eleição no Sindest em 25 de fevereiro de 2010.

Sempre como diretor financeiro, com final do segundo mandato previsto para 2020, Beto revelou enorme responsabilidade e preocupação com o sindicato, ressalta Fábio.

Tido por todos como muito educado, gentil e tranquilo, sua morte causou forte comoção no Sindest. Os locais e horários do velório e enterro ainda não foram definidos.

Beto era também ator e teria papel de destaque no filme Raul Soares.

Além de sindicalista, Beto Santos era ator e iria representar o movimento sindical  em Raul Soares, o filme, cujo projeto será lançado neste domingo (26).

Ele era um grande incentivador do filme e estava entusiasmado por voltar a atuar. O longa metragem conta  as prisões de sindicalistas no navio-prisåo Raul Soares, enviado ao porto de Santos, em 1964, no início da ditadura militar no Brasil.

Beto esteve reunido recentemente com a direção do filme, quando ficou definido seu papel. Estava feliz com o projeto e contava os dias para o início das gravações.

A morte, de forma prematura nesta manhã, tirou-lhe essa oportunidade.

Colunas

Contraponto