Há 50 anos, sindicatos do porto eram fechados pela ditadura militar

A repressão aos líderes sindicais é um capítulo triste e sombrio na história sindical do País

Comentar
Compartilhar
01 ABR 201410h54

Há 50 anos, o sindicalismo forte e combativo de Santos, viveu o mais triste e sombrio capítulo de sua história. Naquela quarta-feira,  dia 1º  de abril de 1964, um dia após a implantação da ditadura militar no País,  sindicalistas foram presos e os sindicatos de portuários fechados.

O Diário do Litoral, entrevistou, no final do ano passado, no Rio de Janeiro, o ex-capitão dos portos do Estado de São Paulo, Júlio de Sá Bierrembach, que também acumulava as funções de delegado do trabalho marítimo de Santos e que comandou as intervenções em 1964. Ele contou detalhes de como foram feitas as intervenções.

Sindicato dos Estivadores foi o primeiro a sofrer intervenção da ditadura militar (Foto: Matheus Tagé/DL)

A medida atingiu os seguintes sindicatos: Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão, Administração Portuária, Conferentes de Carga e Descarga do Porto de Santos, Sindicato dos Arrumadores e Ensacadores de Santos, São Vicente, Guarujá, Cubatão, Itanhaém e São Sebastião; Vigias Portuários, Sindicato Nacional dos Contramestres, Marinheiros, Moços e Remadores em Transportes Marítimos; Operários e Carpinteiros Navais, Sindicato dos Empregados nos Escritórios das Empresas de Navegação de Santos; Sindicato dos Pescadores de Santos,; Sindicato dos  Carregadores e Transportadores de Bagagem do Porto de Santos; Sindicato d Operários Portuários, Sindicato Nacional dos Cabos, Foguistas e Carvoeiros da Marinha Mercante de Santos; Sindicato dos Consertadores de Carga e Descarga do Porto de Santos;  Sindicato dos Motoristas e Condutores da Marinha Mercante de Santos; Sindicato dos Classificadores de Frutas no Porto de Santos; Sindicato dos Oficiais de Náutica da Marinha Mercante.

E mais: Delegacia dos Sindicato dos Práticos, Arrais e Mestres de Cabotagem do Rio de Janeiro, Estado de São Paulo e Santos; Delegacia do Sindicato Nacional dos Taifeiros, Culinários e Panificadores Marítimos; Caixa de Crédito da Pesca; Décimo Sexto Distrito de Portos e Vias Navegáveis; Representação da Comissão de Marinha Mercante de Santos e Entreposto de Pesca de Santos.

Operários Portuários, maior entidade de doqueiros do País: alvo da ditadura (Foto: Matheus Tagé/DL)

Bierrembach revelou ao DL que no dia 2 de abril,  designou os interventores para cada sindicato, tendo sido escolhidos trabalhadores da própria categoria sob intervenção.

Ele diz que no Sindicato dos Estivadores foi escolhido como interventor o estivador Manoel Cabeças, e que ele próprio esteve no sindicato da estiva para dar a posse a este interventor. Alega que as greves em Santos, no porto, paravam o País.

Sindicato dos Conferentes de Carga  teve dirigentes  perseguidos e presos (Foto: Matheus Tagé/DL)