Greve dos Estivadores de Santos completa duas semanas

Trabalhadores e empresários não se entendem e não existe uma previsão de encerramento do movimento

Comentar
Compartilhar
14 MAR 2019Por Glauco Braga09h00
Os estivadores de Santos têm se manifestado na porta dos terminais de contêineresFoto: Nair Bueno/DL

A greve dos Estivadores do Porto de Santos completa duas semanas, hoje, e uma solução está cada dia mais distante. De um lado,  os trabalhadores que reivindicam que a Câmara de Contêineres volte a contratar 50 % de avulsos e 50% vinculados. Do outro, as empresas amparadas por uma decisão judicial que libera a contratação de 100% de estivadores com vínculo empregatício. São 3,5 mil pessoas na categoria.

Os dois lados se acusam. Os estivadores garantem que as composto pelas empresas Santos Brasil, BTP Terminal, Ecoporto, Embraport e Libra estão contratando trabalhadores ligados a outros sindicatos do Porto de Santos. Já os empresários afirmam que os estivadores estavam fazendo ameaças a quem não estava em greve.

Na última terça-feira, o Sindicato dos Estivadores apresentou uma nova proposta da campanha salarial de 2019, a terceira, na qual possui três opções e que foi encaminhada à  Câmara de Contêineres.

"O real motivo da nossa paralisação por tempo indeterminado, é que a Câmara de Containers não senta para negociar nossas campanhas salariais desde 2015, onde não houve qualquer tipo de negociação durante todos esses anos e por isso tivemos que buscar através da justiça nossos dissídios que novamente foram ignorados agora em 2019 em nossa data base de 1° de março, que prevê em nossa pauta também o percentual de contratação de Estivadores Avulsos e Vinculados o qual eles também não querem sentar para negociar", disse o presidente Nei da Estiva.

Sopesp

Até o fechamento da edição não recebemos posicionamento da Câmara de Contêineres do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp).

Colunas

Contraponto