Governo autoriza os médicos do SUS a conceder auxílios do INSS

Mudança no sistema de perícia-médica do INSS vai ocorrer após treinamento

Comentar
Compartilhar
22 MAI 2016Por Da Reportagem08h00
A descentralização de atendimento de segurados que passam pela perícia do INSS visa agilizar atendimento na concessão de auxílios por incapacidadeFoto: Matheus Tagé/DL

O sistema de perícia-médica para a concessão de auxílios-doença e por acidente de trabalho vai mudar nos próximos dias. Os médicos do Sistema Único de Saúde (SUS) já estão autorizados pelo Governo Federal a conceder auxílio-doença aos servidores do INSS e outros auxílios por incapacidade de trabalho.

Essa autorização ocorreu no apagar das luzes do governo Dilma Rousseff, antes da abertura do processo de impeachment, autorizado pelo Senado. O ex-ministro do Trabalho e Previdência Social Miguel Rossetto fez a publicação no “Diário Oficial da União”, a portaria que torna oficial a autorização para essa finalidade. Essa liberação foi assinada em conjunto com o ­Ministério da ­Saúde.

A portaria é uma regulamentação de um decreto do Governo Federal de março passado. Naquele mês, foi autorizado o convênio do INSS com o SUS, porém ainda faltavam detalhes de como seria concretizada essa liberação.

Hoje, os segurados do INSS, que ficam impossibilitados para o trabalho têm que obter um relatório de seu médico particular ou do próprio SUS e depois agendar um horário no INSS para passar por perícia no próprio instituto.

A mudança vai agilizar atendimento, mas, para isso, será necessário que os médicos conveniados passem por um treinamento junto ao setor de perícia-médica do INSS, para serem informados sobre os ­procedimentos.

Como vai funcionar. Só quando não houver possibilidade de realização da perícia pelo INSS
E também na impossibilidade do posto do INSS oferecer o atendimento adequado aos seus beneficiários.

A Previdência Social terá que definir os municípios que terão o convênio. O trabalhador deve ficar atento a isso, pois nesse caso, não será em qualquer posto do SUS que haverá atendimento.

Os médicos do SUS que serão credenciados para atendimento serão orientados a seguir critérios periciais do próprio INSS e terão que passar por programas de capacitação pericial. O instituto terá que colocar à disposição dos médicos do SUS os sistemas informatizados da ­Previdência.

As perícias podem ser realizadas em hospitais, agências do INSS e instituições parceiras da ­Previdência Social.
O decreto presidencial foi publicado em 14 de março e alterou as regras para o auxílio-doença. Estendendo-as para o Sistema Único de Saúde.

O INSS será o responsável por identificar quais municípios precisarão desse reforço para a realização das perícias médicas.

Ministro quer usar posto do INSS para atendimento no Bolsa Família

O novo ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra (PMDB-RS), afirmou que estuda ampliar o uso das agências do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para incluir o atendimento a programas sociais, dentre eles o Bolsa Família. “Os postos do INSS têm uma rede gigantesca no País e subutilizada do ponto de vista de funções. Está sendo usada praticamente só para a questão dos benefícios de aposentadoria, mas são áreas enormes”, disse à reportagem.

Segundo ele, está sendo estudado, em conjunto com o Ministério do Planejamento, o uso dessa rede para “ampliar o atendimento além dos benefícios previdenciários. “Talvez contar com o atendimento do Bolsa Família e do Cadastro Único.” Em relação ao Bolsa Família, o ministro disse ainda que pretende aumentar os cruzamentos de dados do cadastro dos beneficiários com outras bases de dados, para identificar inconsistências.

Hoje, cerca de 15 milhões de famílias recebem o Bolsa Família. Ainda de acordo com Terra, o cadastro delas é, em sua maior parte, auto-declaratório. “O cadastro tem 100 itens. Hoje, praticamente só está se cruzando o que a pessoa diz que ganha. Se a gente pudesse cruzar um número maior de dados, a gente vai descobrir muita coisa.

A ideia não é cortar benefício, mas aumentar a eficiência, para dar realmente para quem precisa”, disse.

Colunas

Contraponto