Estivadores começam greve de três dias nesta quarta-feira

Também nesta quarta, das 7 às 13 horas, haverá greve da categoria no cais público e nos demais terminais especializados do porto, que voltarão às atividades normais no início da tarde

Comentar
Compartilhar
31 JUL 2018Por Da Reportagem20h20
Estivadores avulsos farão greve de três diasEstivadores avulsos farão greve de três diasFoto: Divulgação

Os cerca de 2.500 estivadores avulsos e vinculados de Santos iniciam, nesta quarta-feira (1º), a greve de três dias nos terminais de contêineres aprovada em assembleia na quinta-feira passada (26).

Também nesta quarta, das 7 às 13 horas, haverá greve da categoria no cais público e nos demais terminais especializados do porto, que voltarão às atividades normais no início da tarde.

“A câmara de contêineres do Sopesp ignora, menospreza e desrespeita os estivadores”, diz o diretor social e de imprensa do sindicato, Sandro Olímpio da Silva ‘Cabeça’.

Sopesp é o sindicato patronal dos operadores portuários do estado de São Paulo, que, segundo ele, não respondeu às reivindicações dos estivadores e jogou a negociação deste ano para a data-base de 2019.

Nos terminais do cais público e especializados, o sindicato patronal, segundo Sandro, quer retirar direitos, como a ‘dobra’ após a jornada não cumprida integralmente.

“O desrespeito aos avulsos e vinculados pelos terminais BTP, Libra, Santos Brasil e Ecoporto se arrasta desde 2015, quando disseram que só renovariam o acordo coletivo de trabalho com uma condição”, diz.

Indignação

Sandro explica que os empresários queriam, há três anos, que a categoria aceitasse, ao final do acordo, em 2017, a desobrigação de requisitar mão de obra ao Ogmo.

O sindicato e os trabalhadores consideraram a imposição um desrespeito. Daí em diante, as negociações não avançaram, foram para dissídio e se transformaram em batalhas judiciais.

O secretário-geral do sindicato, Josué Sampaio ‘China’, diz que a categoria tenta, todo ano, trazer as reivindicações para negociação. “Mas a câmara de contêineres insiste em empurrar com a barriga”.

Nesta data-base de 2018, segundo os sindicalistas, não foi diferente. O sindicato apresentou uma proposta e esperava a contraproposta dos operadores, apostando na mesa de negociação aberta.

“Mais uma vez”, diz Sandro, “os patrões mostraram apenas o desrespeito aos trabalhadores. Simplesmente disseram que aceitam negociar em 2019, passando por cima da data-base deste ano”.

“Agem da mesma forma desde 2015”, completa China, “gerando o clima de indignação da categoria. Os estivadores estão revoltados com essa postura e entendem que a única saída é a greve”.