Governo SP

Especialista prevê demissões de profissionais com PEC das Domésticas

Proposta amplia direitos dos empregados domésticos

Comentar
Compartilhar
18 NOV 201217h16

Apelidada de PEC das Domésticas, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 478/10 amplia os direitos dos empregados domésticos, incluindo obrigatoriedade de recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), carga horária semanal de 44 horas, hora extra e adicional noturno. Com o impacto que as mudanças vão gerar no orçamento familiar, patrões podem optar por serviços mais baratos, como o das diaristas, e alavancar um processo de demissões, segundo especialista.

O consultor em emprego doméstico Mário Avelino considera as mudanças previstas na PEC um “avanço justo”, que assegura à categoria direitos importantes já garantidos a outros profissionais. Ele ressalta, no entanto, que o impacto no orçamento das famílias pode levar a um “grande processo de demissões” e que muitas delas devem acabar optando pela contratação de diaristas.
 
Segundo Avelino, para evitar o movimento, que ele considera ruim tanto para os patrões como para as trabalhadoras, a PEC deveria vir acompanhada de medidas que reduzam os custos do empregador.“A doméstica é uma trabalhadora como qualquer outra e é justo que ela tenha garantidos os seus direitos, mas é preciso equilibrar os benefícios para a categoria com a redução de custos para o patrão”, diz Avelino.
 
A categoria  atualmente reúne 6,6 milhões de brasileiros. O texto que acabou de passar pela Comissão Especial sobre Igualdade de Direitos Trabalhistas da Câmara de Deputados será encaminhado para apreciação do plenário da Casa e, posteriormente, ao Senado.

Colunas

Contraponto