Dívidas de aposentados são de R$ 1,3 bilhões na Baixada Santista

Isto significa endividamento de mais de R$ 100 milhões ao mês e cerca de R$ 3,3 milhões ao dia. Falta de aumento real e enormes perdas em benefícios agravam o endividamento

Comentar
Compartilhar
12 ABR 201501h23

Sem aumento real e com perdas enormes em seus benefícios, os empréstimos consignados do INSS, feitos por aposentados e pensionistas, continuam crescendo a cada ano, o que evidencia o endividamento desses segurados da previdência social. Só em 2014, o setor movimentou,em todo País, R$ 43,6 bilhões contra R$ 39 bilhões em 2013 e R$ 31,6 bilhões em 2.012.

Na Baixada Santista, Litoral e Vale do Ribeira os empréstimos consignados em 2014 e nos dois primeiros meses de 2015, somam mais de R$ 1,3 bilhão. Isto significa endividamento de mais de R$ 100 milhões ao mês e cerca de R$ 3,3 milhões ao dia.

Ao todo, mais de 330 mil aposentados e pensionistas fizeram o empréstimo.  

O endividamento poderá ser maior neste ano, pois o Governo vai elevar de 30% para 40% o limite mensal a ser descontado do benefício.

A facilidade nos empréstimos, feitos com desconto nos benefícios, em até 72 parcelas e com juros mais baixos do mercado financeiro, são enormes atrativos. Hoje, as parcelas podem comprometer no máximo 35% dos valores dos benefícios, mas existe um projeto, já aprovado em comissão da Câmara Federal, que eleva esse percentual para 50%. 

Ao todo, mais de 330 mil aposentados e pensionistas fizeram o empréstimo (Foto: Matheus Tagé/DL)

As fraudes são preocupações da Previdência Social e também de entidades de aposentados da Baixada Santista. O INSS elaborou uma cartilha contendo informações sobre os empréstimos.

Saiba como evitar fraudes em consignados

Ler com bastante atenção todo o contrato é a primeira recomendação feita pelo chefe da Divisão de Consignação em Benefícios, Renato Moura Cavalcanti da Silva, para evitar fraudes em empréstimos consignados realizados a aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

“Se ele tiver alguma dificuldade na leitura e/ou na compreensão, ele deve pedir a ajuda para alguma pessoa que seja de sua confiança. É muito importante também que o beneficiário não forneça senhas e documentos para terceiros”, acrescentou.

As taxas de juros máximas que podem ser cobradas são regulamentadas. Atualmente, para o empréstimo pessoal, encontra-se em 2,14%, enquanto para o cartão de crédito a alíquota máxima é de 3,06%.