Cubatão amanhece com greve de 10 mil operários de empreiteiras

A principal paralisação, já iniciada na manhã de ontem (5), é na Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras, com 4800 trabalhadores da terceirizada Tomé

Comentar
Compartilhar
06 MAI 201413h11

Os 10 mil operários das empreiteiras que prestam serviços às indústrias de Cubatão, com exceção da Usiminas, estão em greve desde a manhã desta terça-feira (6).

A principal paralisação, já iniciada na manhã de ontem (5), é na Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras, com 4800 trabalhadores da terceirizada Tomé. 

A categoria está em campanha salarial para a data-base de maio e rejeitou, em duas assembleias, uma pela manhã e outra à noite, a contraproposta das empreiteiras.

Elas propuseram reajuste salarial conforme o INPC de 12 meses, correspondente a 5,62%, mais aumento real de 30% desse índice, ou seja, 1,68%, percentuais considerados irrisórios pelas assembleias.

Além da RPBC, estarão paralisadas empresas como Transpetro, Vale Fertilizantes e Bunge. A Usiminas não será afetada porque a data-base nas empreiteiras contratadas é em agosto.  

Os 10 mil operários das empreiteiras que prestam serviços às indústrias de Cubatão, com exceção da Usiminas, estão em greve desde a manhã desta terça-feira (6) (Foto: Vespasiano Rocha)

Na Tomé, a segunda greve em menos de um mês

Vinte e um dias após o encerramento de uma greve de 11 dias, entre 3 e 14 de abril, os 4.800 empregados da empreiteira Tomé paralisaram de novo as atividades, na manhã de ontem (5), em Cubatão.

A empresa, junto com algumas subempreiteiras, presta serviços à Refinaria Presidente Bernardes (RBPC), da Petrobras, onde ocorreu a paralisação do mês anterior.

O principal motivo, agora, é o não pagamento de ajuda de custo para aluguel de alojamentos, onde dormem e descansam 60% desses trabalhadores.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos), Macaé Marcos Braz de Oliveira, explica melhor o problema.

Segundo ele, a maioria dos operários vem de outras cidades, estados e regiões do país, atraídos pela oportunidade de trabalho no polo industrial da Baixada Santista, principalmente na refinaria.

Aqui chegando, eles são induzidos a assinar documentos dizendo que residem em Cubatão e são instalados em habitações coletivas no município e em outros da redondeza, como Guarujá e Praia Grande.

Os custos com a hospedagem e alimentação fora do horário de trabalho são, dessa forma, assumidos pelos trabalhadores, que reivindicam então a ajuda de custo.

“Há anos essa história se repete”, explica o sindicalista. “Os companheiros assinam os papeis ludibriosos porque precisam trabalhar. A verdade é que as empresas e seus prepostos agem de má-fé”.

Outro problema motivador da greve e o chamado desvio de função, que consiste na obrigatoriedade do trabalhador exercer tarefas para as quais não foi contratado, sem receber por elas.

Problemas com a folga de campo, que consiste numa espécie de licença remunerada para o trabalhador visitar eventualmente a família, nas cidades de origem, também colaboraram para a deflagração da greve.

Data-base

A greve foi proposta e aprovada pelos próprios trabalhadores, mas acatada imediatamente pela direção sindical, em assembleia, às 7 horas, na portaria da RPBC, para análise de contraproposta de campanha salarial.

Com data-base em maio, os operários recusaram a correção salarial com base no INPC do período, de 5,62%, mais aumento real correspondente a 30% desse índice, ou seja, 1,68%.

A mesma contraproposta foi analisada pelos demais trabalhadores do polo industrial, em assembleia ontem (5), na subsede do sindicato em Cubatão. Às 7 horas de hoje (6), na portaria da RPBC, haverá assembleia dos grevistas para definir sobre a continuidade ou não da paralisação. 

Reivindicações

A campanha salarial envolve cerca de 10 mil operários, mas o problema dos alojamentos atinge principalmente os terceirizados da RPBC. A maioria dos outros reside na região.

As reivindicações foram aprovadas na assembleia de 7 de março e entregues às empresas no dia 27 daquele mês. A principal delas é o aumento real de 10% acima da reposição pelo INPC do mês.

A subsede do sindicato fica na Avenida Joaquim Miguel Couto, 337.