CPI da Previdência Social tem apoio de 93% da população

DataSenado fez levantamento com 1.765 pessoas dias antes do pedido da abertura da comissão no Senado

Comentar
Compartilhar
26 MAR 2017Por Da Reportagem11h01
Nomes que vão integrar a CPI da Previdência devem ser escolhido no Senado Federal a partir da próxima semana e trabalhos devem durar, no mínimo, 120 diasNomes que vão integrar a CPI da Previdência devem ser escolhido no Senado Federal a partir da próxima semana e trabalhos devem durar, no mínimo, 120 diasFoto: Agência Brasil

Enquete do Instituto de Pesquisa DataSenado mostra que internautas, representando vários setores da população do País concordam com a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência Social, solicitada pelo ­senador Paulo Paim (­PT/RS), na última terça-feira, e idealizada pela Confederação Brasileira de Aposentados (­Cobap).

Exatamente 93% dos participantes mostraram-se favoráveis. A maioria (87%) também acredita que a CPI vai ­ajudar muito no debate da reforma previdenciária­.

A enquete foi realizada no Portal do Senado de 2 a 16 de março. Nesse período, 1.765 cidadãos responderam ­perguntas sobre o assunto e manifestaram interesse em ver desvendados os mistérios que envolvem os cofres do INSS com identificação de possíveis desvios, se existe déficit mesmo como diz o Governo e qual o valor real da dívida das grandes empresas para com a previdência social.

A CPI foi idealizada pela Cobap com apoio do senador Paulo Paim. Eram necessárias 27 assinaturas, mas a entidade de aposentados, após visitar vários gabinetes de senadores, obteve 63 assinaturas de apoio.

Instalada

O senador Paulo Paim (PT-RS) foi quem protocolou o pedido de criação da CPI para investigar a situação financeira da Previdência Social. Acompanhado de senadores favoráveis à criação da CPI e acompanhado de apoiadores da ação, Paim levou o pedido à Mesa. Aos gritos de “CPI já” e “Não à ­reforma da Previdência”, Paim foi acompanhado por sindicalistas e manifestantes favoráveis ao ­requerimento. A senadora Fátima ­Bezerra (­PT-RN) participou do ato e destacou a participação favorável da bancada ­feminina na ação.

“Todas as 13 senadoras assinaram o requerimento. Isso mostra todo o entendimento que se tem de que a proposta de reforma da previdência é um atentado aos interesses do povo, do trabalhador brasileiro, mas em especial a nós mulheres”, disse a ­senadora.

Trabalho da CPI terá prazo de 120 dias para ser concluído

De acordo com o requerimento, a comissão de inquérito terá um prazo de 120 dias para a realização dos seus trabalhos, prorrogáveis por igual período, e será integrada por 13 membros titulares e 13 suplentes. ”O objetivo da CPI é a verdade. Mostrar primeiro que há superávit, combater a fraude, a sonegação e a corrupção”, declarou Paim.

Com a apresentação do requerimento, a Mesa deverá agora realizar a conferência das assinaturas. Os senadores puderam retirar ou acrescentar seus nomes na lista até a meia-noite da última terça-feira. Após esse prazo, com as assinaturas suficientes, os líderes partidários já podem começar a indicar representantes para integrar a ­comissão.

Não há prazo determinados para que as indicações sejam feitas ou para a instalação da CPI após a escolha dos indicados.

Caso haja demora excessiva das lideranças, o presidente do Senado pode, a seu próprio critério, indicar os nomes. A só CPI poderá ser instalada quando todos os seus membros titulares estiverem nomeados. Paim disse esperar que os trabalhos tenham início até a metade do mês de abril.