Conferentes e Rodrimar terão reunião de conciliação no TRT

Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP) vai tentar hoje um acordo para o reajuste salarial da categoria

Comentar
Compartilhar
17 MAR 2017Por Da Reportagem11h00
Marco Sanches, presidente do Sindicato dos Conferentes de Carga e Descarga do PortoFoto: Matheus Tagé/DL

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT/SP) realiza hoje nova reunião de audiência, para o próximo dia 17, entre o Sindicato dos Conferentes de Santos e o Grupo Rodrimar, para tentar colocar um ponto final na greve dos conferentes de carga do Porto de Santos. 

A decisão foi tomada na primeira audiência realizada dia 3, onde as partes, independentemente de futuro acordo, se posicionaram perante o desembargador Carlos Roberto Husek, vice-presidente judicial do TRT, em aplicar desde o último dia 5  percentual de 5% de reajuste sobre os salários e vale-refeição.

O Sindicato dos Conferentes, através do presidente Marco Sanches, fez constar em ata, que persiste no reajuste de 19,61%  sobre as datas- base de 20115 e 2016, independente do percentual devido para a data-base de 2017.

Tanto os representantes do sindicato quanto os do Grupo Rodrimar afirmaram na primeira audiência  que pretendIam continuar as negociações e pediram o adiamento da audiência com a designação de uma outra a fim de tentar um consenso nas negociações salariais.

O desembargador Carlos Husek  disse que em decorrência do avanço das negociações, foi fixado uma cláusula de paz durante as negociações, período no qual não haverá qualquer movimento  grevista por parte do sindicato.

A greve foi deflagrada pelos conferentes que atuam no Porto de Santos sob o regime de trabalho avulso administrado pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) de Santos, devido ao impasse nas negociações.

Os trabalhadores chegaram a paralisar suas atividades e até impediram as operações de descarga de fertilizantes à granel no navio Ocean Galaxy, sob responsabilidade da Rodrimar, atracado no cais do armazém 23 do complexo portuário.

 O presidente do Sindicato, Marco Antônio Sanches, disse que aguarda pelo fim do impasse ciom o reajuste pretendido pela categoria.. “Nada disso seria necessário se a empresa tivesse atendido as reivindicações da categoria, que foram baseadas na simples recuperação das perdas inflacionárias dos últimos dois anos, período em que os avulsos não receberam nenhum aumento da Rodrimar”, justificou.

Ao todo, são  280 conferentes que pleiteiam a aplicação do  INPC–IBGE  de 1º de março de 2016 a 28 de fevereiro de 2017 e aumento real de 9% e vale-refeição de R$ 33,00 por jornada de 6 horas. 

Rodrimar

A Rodrimar, por sua vez, através de sua diretoria, disse logo após a deflagração da greve que foi surpreendida com a paralisação que foi deflagrada no momento em que as partes estavam em plena negociação com o sindicato.

Informou que fechou acordo salarial com outros sindicatos de portuários e avulsos e  que está oferecendo às mesmas condições para os conferentes., ou seja: cinco por cento a partir de março/16 com pagamento do retroativo em três parcelas.

A greve se encontra suspensa, devido à cláusula de paz, e  se não houver acordo  na audiência de hoje,  o TRT deverá marcar uma data para o julgamento do dissídio de greve.