Comitê recomenda afastamento do trabalho de professoras grávidas

O comitê, formado por 26 entidades da sociedade civil e da administração pública, tem a finalidade de proteção às gestantes

Comentar
Compartilhar
06 FEV 201323h29

O Comitê Municipal de Prevenção e Controle da Nova Gripe de Curitiba, Capital paranaense, recomendou que todas as grávidas do Município deverão se afastar das atividades profissionais e estudantis de ontem até o dia 4 de setembro. O comitê, formado por 26 entidades da sociedade civil e da administração pública, tem a finalidade de proteção às gestantes.

A ideia é que nesses 15 dias, o Comitê ganhe tempo para entender melhor a relação entre o vírus Influenza H1N1 e gestação para propor outras condutas ao grupo.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, dos 498 casos positivos de influenza A (H1N1) — gripe suína — registrados na capital, 29 eram de gestantes. Uma delas morreu. E dos 1.851 casos confirmados da doença em todo o Estado, 96 são de gestantes, o que equivale a 5% do total.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) já havia feito a mesma recomendação e há duas semanas o secretário da Saúde, Gilberto Martin, assinou uma resolução também recomendando medidas preventivas para as gestantes, como a de que os serviços de saúde providenciem a transferência temporária das funcionárias gestantes para outros setores, cujas atividades sejam de menor risco e onde não fiquem expostas a pacientes com síndrome gripal e ao público em geral.

A Secretaria da Educação também recomendou que alunas, professoras e funcionárias gestantes permanecessem em casa até o dia 31 de agosto como medida de segurança.