Centrais se mobilizam para atos e greve geral na próxima sexta

Sindicalistas realizaram um encontro ontem para decidir esquema de mobilização e uma paralisação na região contra reformas do Governo

Comentar
Compartilhar
27 JUN 2017Por Da Reportagem10h50
Reunião de sindicalistas ocorreu ontem no Sindicato dos Bancários e volta a ser realizada hoje e amanhãFoto: Rodrigo Montaldi/DL

As centrais sindicais estão mobilizando as categorias de trabalhadores para atos e protestos nesta sexta-feira (30) na Baixada Santista. A greve geral, que perdeu força nos últimos dias, deverá se transformar em manifestações pontuais em Santos e região, bem como em quase todo o País, uma vez que os sindicalistas estarão com suas atenções voltadas para a votação da reforma trabalhista que ocorre amanhã, na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal.

A primeira reunião foi feita ontem, no Sindicato dos Bancários e decidiu parte da mobilização sindical para esta semana. Amanhã, à noite, no Sindipetro, os sindicalistas farão uma plenária para decidir se haverá uma greve, já decidida por algumas categorias da região, entre elas a dos petroleiros.

Nos debates, os dirigentes sindicais afirmam que não há o mesmo clima para uma greve geral, como a que ocorreu no dia 28 de abril em todo País, e que foi a maior greve dos últimos anos, segundo avaliação do próprio movimento sindical do País.

Calendário de lutas
Ficou definido na reunião que hoje haverá novo encontro de sindicalistas com o presidente da Fundacentro, órgão ligado ao Ministério do Trabalho, às 9h, no Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Av. Washington Luiz, 140.

Quarta-feira (28/6)
Pedágio e panfletagem na Pça. Mauá, das 11 h Às 13 h, em Santos, com carro de som, faixas e bandeiras para denunciar a retirada de direitos, o desemprego e a falta de aposentadoria que vão surgir caso as reformas sejam aprovadas pelo Congresso Nacional;

Quarta-feira (28/6)
Plenária Final para organizar a Greve Geral dia 30/6, às 19h, no Sindicato dos Petroleiros, Av. Conselheiro Nébias, 248, em ­Santos/SP.

Quinta-feira (29/6)
Pedágio, panfletagem, carro de som, bandeiras e faixas na Pça. Barão do Rio Branco, centro de São Vicente das 11h às 13h.

Sexta-feira (30/6).
Greve Geral.

“É importante esclarecer que depois da Greve Geral dia 30 outras atividades vão engrossar o calendário dos trabalhadores e os nomes dos deputados e senadores que tentam impor a retirada de direitos e da aposentadoria serão sempre lembrados aos trabalhadores”, disse Ricardo Saraiva Big, Secretário de Relações Internacionais da Intersindical e Secretário Geral do Sindicato dos Bancários .

CCJ do Senado Federal vota amanhã reforma trabalhista

Ainda embalados pela     derrota do Governo na votação da semana passada, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, dirigentes das centrais sindicais do País estarão, a partir de hoje, no Senado, a fim de pressionarem os senadores a não aprovarem o texto da reforma trabalhista do Governo, que irá à votação amanhã, na Comissão de Constituição e Justiça(CCJ).

Se for aprovada amanhã, a reforma vai direto para julgamento no plenário, fato que deve ocorrer no próximo dia 5 de julho.

“O momento é esse, temos que sepultar de vez essa reforma agora, pois não haverá outra oportunidade”, disse Herbert Passos Filho, presidente do Sindicato dos Químicos e vice-presidente da Força Sindical, que segue hoje para Brasília a fim de participar dessa mobilização sindical.

Falsa justificativa

O senador Paulo Paim (PT-RS), em entrevista ontem à Agência Senado,  criticou o governo por usar dados falsos para justificar junto à população as reformas trabalhista e Previdenciária. O parlamentar leu, em Plenário, artigo do cientista Carl Sagan sobre “a arte refinada de detecção de mentiras” e a necessidade de se debater previamente uma ideia, antes de colocá-la em prática.