Centrais repudiam atos de vandalismo e violência policial

Aposentado baleado durante manifestações na capital federal está em estado grave

Comentar
Compartilhar
27 MAI 2017Por Da Reportagem10h30
Mais de 100 mil pessoas participaram da Marcha em Brasília contra as reformas trabalhista e previdenciáriaMais de 100 mil pessoas participaram da Marcha em Brasília contra as reformas trabalhista e previdenciáriaFoto: Divulgação

As centrais sindicais que promoveram a Marcha em Brasília, na última quarta-feira, contra as reformas trabalhista e previdenciária, emitiram nota lamentando e repudiando os atos de vandalismo e a violência policial contra os ­trabalhadores.

A diretoria da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) diz que  atos de vandalismos foram promovidos por grupos alheios á coordenação do evento.

O diretor da NCST em Santos, Fábio Pimentel, que participou da Marcha em Brasília, esteve ontem no Diário do Litoral, e disse que a NCST quer identificar quem foram os mascarados infiltrados no movimento e que deram início ao confronto, que logo a seguir envolveu outras pessoas.

“Foi uma verdadeira chuva de bombas de gás e balas de borracha contra as pessoas, incluindo ­mulheres, crianças e até cadeirantes. Uma violência premeditada e descabida cujo objetivo foi desviar o foco do movimento”, diz o sindicalista­.

A Força Sindical também repudiou os atos de vandalismo e a violência policial, “fatos que atrapalharam as manifestações que ocorriam de forma pacífica”, diz a nota.

Baleado. Foi identificado o trabalhador ferido a tiro durante a Marcha em Brasília. Trata-se de  Carlos Geovani Cirilo, que é aposentado e estava na caravana da UGT de Minas Gerais.

Seu estado de saúde é grave e ele está internado no Hospital de Base de Brasília.