Aposentados vão participar de protestos contra Governo

Categoria vai se juntar aos trabalhadores nos protestos das centrais sindicais em SP. Um dos objetivos do protesto é pedir mais respeito e dignidade para aposentados e trabalhaadores

Comentar
Compartilhar
27 MAR 201410h42

Revoltados com as perdas constantes em seus benefícios e com a indiferença do Governo Federal em relação às suas reivindicações, os aposentados vão se juntar aos trabalhadores, no próximo dia 9 de abril, nas manifestações que serão realizadas em São Paulo. Ato deverá contar com cerca de 50 mil pessoas.

“Nós vamos disponibilizar vários ônibus, que sairão de todas as cidades da Baixada Santista, a fim de levar aposentados e trabalhadores para as manifestações e protestos, pois temos que mostrar nossa insatisfação ao Governo”, disse ontem Herbert Passos Filho, presidente  do Sindicato dos Químicos e diretor da Força Sindical na Baixada Santista.

Ele reuniu ontem, em um café da manhã,  dezenas de aposentados, na sede do sindicato, para divulgar o evento, debater as questões trabalhistas e também os 50 anos da ditadura militar no Brasil

Passos mencionou a triste realidade dos aposentados, que estão cada vez com maiores dificuldades e se endividando no empréstimo consignado do INSS, descontado em folha de pagamento.

Reunião nos Químicos  debate mobilização de aposentados e trabalhadores (Foto: Divulgação)

“O INSS divulgou recentemente que 1,6 milhão de aposentados e pensionistas fizeram empréstimos, comprometendo em cerca de 30% os seus benefícios mensais previdenciários”, diz o sindicalista.

Acrescenta que o volume desta operação atingiu quase R$ 4 bilhões em janeiro, mês em que eles têm o benefício reajustado. “O aumento da categoria está perdendo e muito da inflação e a cada ano os empréstimos consignados estão aumentando, sendo que neste ano  o resultado foi 8,74% superior ao mesmo período de 2013”, explica.

Passos menciona que isto não seria necessário se o Governo tivesse reposto as perdas dos benefícios que se acumulam a cada ano em que os benefícios não recebem aumento real. “Temos que dar um basta nesta situação e isto só se consegue com mobilização”.

Em relação aos trabalhadores, Passos diz que o objetivo do movimento sindical é pressionar o Governo a reabrir as negociações relacionadas à pauta trabalhista.
“Queremos que o Governo mantenha com os trabalhadores e aposentados o mesmo relacionamento cordial que ele mantém com a classe patronal, que não tem dificuldade em ser recebida no Palácio do Planalto para debater suas reivindicações. Isto seria dar o equilíbrio nas relações entre capital e trabalho”, conclui o sindicalista.

MAP.LP

O movimento de Aposentados do Litoral Paulista(MAP.LP) decidiu em sua última reunião, que os aposentados devem inovar em suas reivindicações. “As entidades decidiram que vão inovar neste ano, fazendo uma campanha salarial com uma pauta de reivindicação a ser enviada ao Governo”, disse Uriel Villas Boas. Ele esteve no DL, para divulgar a reunião realizada no Sindicato dos Consertadores.

Na reunião ficou decidido que a entidade vai acionar os parlamentares da região, para que se integrem à luta para maior pressão ao Governo, aproveitando o ano eleitoral.