X
Saúde

Vômitos intensos na gravidez precisam de tratamento

Mais do que um simples incômodo esse sintoma pode interferir no nascimento e desenvolvimento de uma criança saudável

Mulheres que apresentam quadros considerados de moderados a graves precisam receber medicamentos denominados antieméticos / Divulgação

Durante a gestação, náuseas e vômitos na mulher são considerados sintomas normais, tanto que cerca de 80% das gestantes apresentam esses quadros.

“Em 85% dos casos, a resolução está em uma simples mudança de hábitos, como evitar a ingestão de líquidos logo após acordar e excluir alimentos gordurosos, quentes e refrigerantes da dieta”, explica Antonio Cabral, doutor em Obstetrícia pela Unifesp e Professor titular de Obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O dr. Antonio Cabral destaca que “para 1% das mulheres grávidas esses sintomas evoluem para quadros graves de náuseas e de vômitos. É o que denominamos Hiperêmese Gravídica (HG), problema sério que precisa ser tratado de maneira adequada. As gestantes com Hiperêmese podem ter perda acentuada de peso (mais de 20% do peso pré-gestacional), desidratação e alterações metabólicas, que levam à piora do estado geral e repercussões importantes para a mãe e para o feto, necessitando de internação hospitalar”, explica dr. Cabral.

As mulheres que apresentam quadros de náuseas e vômitos considerados moderados a graves, ou seja, os sintomas são sentidos até dez vezes ao dia, precisam receber medicamentos denominados antieméticos, para aliviar os sintomas, evitar a desidratação materna e alterações no funcionamento do organismo.

A necessidade de utilizar um medicamento, porém, gera outra preocupação nas futuras mamães, uma vez que alguns deles podem afetar o desenvolvimento dos bebês. O dr. Cabral tranquiliza as pacientes: “a segurança de alguns antieméticos já foi testada com êxito. Dentre as drogas usadas no Brasil, a única que garante o não comprometimento do neurodesenvolvimento da criança é a Ondansetrona, que pode ser usada em todos os níveis de náuseas e vômitos, conforme estudo da Food and Drug Association – FDA, um órgão do governo dos Estados Unidos, criado em 1862, com a função de controlar os alimentos e medicamentos, por meio de diversos testes e pesquisas”, destaca o especialista.

E as substâncias que não foram objeto de estudos? Dr. Cabral explica que quanto a essas "não é possível avaliar as consequências no feto. Por isso, é necessário que médico e paciente se atentem para não correr riscos desnecessários. Os vômitos intensos e não tratados podem prejudicar o feto, gerando atrasos em sua maturação intelectual.  É preciso tratar essa condição, mas com toda a segurança. Não devemos correr risco quando o assunto é a saúde de um bebê”, ressalta.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Presidente do Delfín revela proposta do Santos por gigante zagueiro equatoriano

Assim como fez no Corinthians, o técnico Fábio Carille deve iniciar a reformulação do elenco santista para 2022 pela defesa

Santos

Incêndio em apartamento assusta moradores em Santos

Um incêndio em um apartamento na Rua Barão de Paranapiacaba, na Encruzilhada, em Santos, mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros na tarde desta terça-feira (30)

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software