Banner gripe

Você sabia que o vírus causador da catapora é o mesmo do herpes zóster?

Existe vacina para a doença, que ainda é desconhecida, porém comum

Comentar
Compartilhar
09 MAI 2019Por Da Reportagem20h01
O vírus é bem conhecido desde a infância, já que é o mesmo que causa a cataporaFoto: Divulgação

O vírus é bem conhecido desde a infância, já que é o mesmo que causa a catapora, doença vista hoje com menos frequência por causa da vacina. O herpes zóster tem uma característica muito peculiar porque ele não vai embora, não some do organismo, fica adormecido em um dos nossos nervos.

Conhecido popularmente como cobreiro, o herpes zóster é uma infecção de pele benigna, mas com grande comprometimento da qualidade de vida. Os principais sinais da doença são pequeninas bolhas que fazem casca acompanhadas de dor intensa. Pode ainda causar febre, mal-estar e cansaço. Pesquisas americanas apontam que uma em cada três pessoas pode desenvolver a doença.

“À medida que envelhecemos, ou em situações que nosso sistema imunológico fica fragilizado, aumenta a possibilidade de ativação destes vírus e o desenvolvimento da doença, que tem uma grande preferência pelo trajeto de nervos e comprometimento da pele, podendo ter como sequela uma importante dor, conhecida como neuralgia herpética”, explica a Dra. Ana Paula Moschione Castro, alergista, imunologista e diretora da Clínica Croce, que é especializada no diagnóstico e tratamento nas áreas de, Alergia, Imunologia, Otorrinolaringologia, Endocrinologia e Reumatologia.

Prevenção

Já existe vacina para a prevenção do herpes zóster, produzida com vírus vivo atenuado, feita com o mesmo vírus da varicela, porém com uma dose muito maior. Pessoas acima de 50 anos de idade podem receber a vacina apresentando pedido médico. “Como é feita de vírus vivo, o médico precisa avaliar se o paciente pode se vacinar”, explica Dra. Ana Paula.

Tratamento

O herpes zóster pode ser tratado com medicações que controlam a multiplicação do vírus e que minimizam os sintomas. Embora seja difícil o diagnóstico precoce, por ser uma doença silenciosa, quando feito desde o início, o tratamento é mais eficaz.

Colunas

Contraponto