Vacinas do HPV não causaram os sintomas, diz Estado

A diretora de Imunização, Helena Sato, afirma que as três adolescentes que estão internadas no HGA, em Santos, não tiveram paralisia

Comentar
Compartilhar
09 SET 201410h20

“Os sintomas apresentados pelas meninas não são uma reação da vacina HPV”. A afirmação é da diretora de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde, Helena Sato, sobre o estado de saúde das três adolescentes - Luana Alves Barros, Mariana Freitas de Lima e Nathália dos Santos - que continuam internadas no Hospital Guilherme Álvaro (HGA), em Santos. “Elas apresentaram dificuldades para caminhar, mas, após exames neurológicos, constatamos que não há paralisia”, disse.

A diretora garantiu que os exames não apontaram anormalidade. “Ainda estamos acompanhando, mas sabemos que não é uma reação da vacina. Os sintomas indicam que o que aconteceu foi uma reação de ansiedade a imunização. Um temor à dor da aplicação. Não é comum, mas acontece”, afirmou.

As jovens estão entre as 11 adolescentes que receberam a segunda dose da vacina no último dia 3, quarta-feira, na Escola Estadual William Aureli, em Bertioga, e logo após foram encaminhadas ao Pronto-Socorro (PS) da cidade com sintomas como fraqueza, dor de cabeça e tontura. As outras oito alunas foram socorridas no dia e não tiveram recaídas. “Elas estão sendo monitoradas e passam bem”, garante Helena Sato. As três adolescentes internadas apresentaram um quadro inconstante, dormências nas pernas e tiveram várias recaídas até serem internadas na última sexta-feira, dia 5.

Vacina e segura e campanha segue, de acordo com Helena Sato (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Fabíola Freitas, mãe de Mariana, afirmou que a filha passou o dia ontem melhor e com menos dores nas pernas e na cabeça. “Ela ainda sente um pouco de dormência nas pernas, mas está melhor”, conta. O mesmo afirmou a mãe de Luana, Rosália Alves Barros. “Ela está andando, mas ainda não nos deram previsão de alta. Estamos aguardando o resultado dos exames”, explicou a doméstica, que afirma ter certeza que os sintomas foram causados pela vacina. “Eu tenho certeza. Ela tomou a vacina e caiu lá no colégio mesmo. Só pode ter sido a vacina”, afirma.

Vacinação continua

A diretora de Imunização garante que a vacina é segura e que a campanha irá continuar em todo Estado, inclusive com a distribuição do mesmo lote. “Apenas 11 de 480 meninas vacinadas naquela cidade apresentaram sintomas. Por isso, a vacinação continua, ela é muito importante para a prevenção do câncer do colo de útero”, declara Helena Sato.