Ucrânia: OMS receia surto de poliomielite devido a escassez de vacinas

Nitzan revelou que a cobertura imunológica das crianças ucranianas não atinge 50% devido ao frágil sistema de saúde

Comentar
Compartilhar
09 SET 201414h46

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje (9) para o reaparecimento de diversas doenças na Ucrânia devido à ausência de vacinas e advertiu para possível surto de poliomielite.

“Atualmente não existem vacinas armazenadas na Ucrânia. Existem alguns centros que ainda possuem algumas doses, quando terminarem não haverá mais. Tememos sobretudo um surto de poliomielite no país", afirmou em conferência de imprensa a representante da OMS na Ucrânia, Dorit Nitzan.

“Quando a crise surgiu, o sistema sanitário do país era muito débil e estava sendo reconstruído. Não garantia serviços de saúde adequados. O conflito piorou a situação”, acrescentou, em referência aos confrontos no Leste do país entre o Exército de Kiev e as forças rebeldes pró-russas.

Nitzan revelou que a cobertura imunológica das crianças ucranianas não atinge 50% devido ao frágil sistema de saúde. Como exemplo, citou a morte de uma criança em 2008, após ter sido vacinada  contra o sarampo durante uma epidemia que originou rejeição generalizada à imunização.

A OMS alertou para o reaparecimento de diversas doenças na Ucrânia devido à ausência de vacinas (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Desde o início do conflito, “o sistema sanitário foi submetido a muita pressão, e o ministério, simplesmente, não pôde fazer o necessário para obter mais vacinas”,disse.

Perante a atual situação, a OMS receia um surto de poliomielite. “Claro que podem ocorrer casos de sarampo, rubéola, mas a poliomielite é muito perigosa. E sabe-se que após o primeiro caso confirmado de polio, haverá outros 200 infectados que passaram despercebidos”, acrescentou.

A vacina contra o tétano, necessária para as pessoas feridas no conflito, também entrou em ruptura, disse.

A OMS, em colaboração com o ministério da Saúde ucraniano, estabeleceu contato com diversos organismos internacionais para tentar garantir o envio das principais vacinas. Nesse sentido, solicitou US$ 14 milhões para a aquisição de vacinas e reequipar o sistema de saúde, mas até o momento foram recolhidos US$ 40 mil.

Nitzan também disse, que 32 hospitais das zonas afetadas pelo conflito funcionam apenas parcialmente, e que outros 17 estão destruídos após terem sido alvos de bombardeamentos. No total,  4 milhões de pessoas foram afetadas no Leste do país, e 1 milhão foram forçadas á abandonarem suas casas.