Tecnologia em excesso afeta visão de crianças e jovens

O uso excessivo destes equipamentos aumenta a chance do desenvolvimento de problemas oculares, como a miopia, distúrbio visual em que a visão de longe fica embaçada ou desfocada

Comentar
Compartilhar
22 MAR 201515h42

Computadores, tablets e smartphones estão nas mãos e na vida das crianças e jovens de hoje. Porém o uso excessivo destes equipamentos aumenta a chance do desenvolvimento de problemas oculares, como a miopia, distúrbio visual em que a visão de longe fica embaçada ou desfocada.

Embora a maior parte dos casos de miopia na infância seja hereditária, pesquisas já sugerem que o esforço visual exigido durante o uso do computador e de outros aparelhos tecnológicos está relacionado à miopia. “De frente para a tela do computador, fazemos esforço para manter o foco. Isso causa uma fadiga que  traz mudanças no olho e que podem levar à miopia”, explica o professor doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo, Marcello Colombo Barboza.

O esforço visual empregado para focar imagens na tela do computador ou no celular causa mais cansaço visual do que a leitura de um livro ou revista. Colombo Barboza explica que basta saber usar os recursos tecnológicos em benefício próprio. “Uma forma simples de reduzir a fadiga visual das crianças e jovens em contato com computador e outros é fazer pausas frequentes. O ideal é a cada 20 minutos, afastar-se e olhar para um outro objeto mais distante por 10 segundos”, ensina o especialista.

Miopia é um dos problemas que podem surgir (Foto: Divulgação)

Pais e responsáveis também precisam controlar o tempo que crianças e adolescentes passam fazendo uso destes aparelhos. É saudável mesclar com outras atividades externas, como esportes e lazer.

Saúde Ocular

Deve fazer parte  da vida de crianças e adolescentes a visita anual ao oftalmologista. Muitos problemas oculares diagnosticados precocemente não terão repercussão na fase adulta. Quando não percebidos, podem, por exemplo, prejudicar o aproveitamento escolar dos pequenos e promover sequelas para sempre.

Segundo o Ministério da Saúde, 30% das crianças em idade escolar apresentam problemas oculares. O mais comum é a ambliopia, mais conhecida como olho preguiçoso, para o qual o tratamento é o tampão no olho de melhor visão para forçar o outro a trabalhar mais.

Na adolescência, a ocorrência maior é de cansaço visual e dor de cabeça. É comum surgirem o astigmatismo, a hipermetropia e a miopia nesta faixa etária. Todos são resolvidos com o uso de óculos ou de lentes de contato. Na fase adulta esses erros refracionais podem ser solucionados com a cirurgia 100% a laser, que torna o paciente independente dos óculos.